Menu
Busca terça, 23 de abril de 2024
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
Previsão do tempo
24º
SOJA

Preços da saca no Brasil reagem após alta de Chicago

Contratos do grão com entrega em novembro fecharam com alta de 17,50 centavos a US$ 14,78 3/4 por bushel

21 setembro 2022 - 07h52Por Canal Rural

Os preços da soja tiveram alta predominante nas principais praças de negociação do Brasil nesta terça-feira (20). Apesar da volatilidade do dólar, a alta em Chicago contribuiu para a valorização doméstica. Houve registro de negócios no dia, mas não muito expressivos.

Veja o fechamento no mercado doméstico:

  • Passo Fundo (RS): a saca de 60 quilos subiu de R$ 181,00 para R$ 184,00
  • Região das Missões: a cotação cresceu de R$ 180,00 para R$ 183,00
  • Porto de Rio Grande: o preço se elevou de R$ 188,00 para R$ 191,00
  • Cascavel (PR): o preço cresceu de R$ 182,00 para R$ 183,50
  • Porto de Paranaguá (PR): a saca valorizou de R$ 188,50 para R$ 190,00
  • Rondonópolis (MT): a saca caiu de R$ 173,00 para R$ 169,00
  • Dourados (MS): a cotação passou de R$ 176,00 para R$ 177,00
  • Rio Verde (GO): a saca foi de R$ 169,00 para R$ 171,00

Chicago

Os contratos futuros da soja negociados na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) fecharam a terça-feira com preços mais altos. Depois de um início volátil, o mercado se firmou no território positivo, refletindo os dados divulgados nesta segunda pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). O clima seco previsto para o Meio Oeste e o desempenho do trigo e do milho ajudaram na elevação.

O Departamento apontou lentidão na colheita da safra norte-americana e queda nas condições das lavouras. O bom desempenho dos grãos vizinhos, principalmente do trigo, que disparou em meio as preocupações com o conflito na Ucrânia, completou o cenário positivo para os preços da oleaginosa.

Segundo o USDA, até 18 de setembro, 55% estavam entre boas e excelentes condições (o mercado esperava 56%), 30% em situação regular e 15% em condições entre ruins e muito ruins. Na semana anterior, os índices eram de 56%, 29% e 15%, respectivamente.

Foi divulgado também o relatório sobre a evolução colheita das lavouras de soja. Até 18 de setembro, a área colhida estava apontada em 3%. O mercado esperava 5%. Em igual período do ano passado, a colheita era de 5%. A média é de 5%.

Os contratos da soja em grão com entrega em novembro fecharam com alta de 17,50 centavos ou 1,19% a US$ 14,78 3/4 por bushel. A posição janeiro teve cotação de US$ 14,84 1/2 por bushel, com ganho de 17,00 centavos de dólar ou 1,15%.

Nos subprodutos, a posição dezembro do farelo fechou com alta de US$ 10,10 ou 2,35% a US$ 439,40 por tonelada. No óleo, os contratos com vencimento em dezembro fecharam a 65,91 centavos de dólar, com ganho de 0,75 centavo ou 1,15%.

Câmbio

O dólar comercial encerrou a sessão em queda de 0,21%, sendo negociado a R$ 5,1530 para venda e a R$ 5,1510 para compra. Durante o dia, a moeda norte-americana oscilou entre a mínima de R$ 5,1410 e a máxima de R$ 5,2230.