Menu
Busca sexta, 24 de maio de 2024
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
Previsão do tempo
23º
SOJA

Preços da saca da oleaginosa sobem no Brasil

Apesar da queda de Chicago, os preços da soja subiram no mercado físico brasileiro, acompanhando a alta do dólar sobre o real

01 setembro 2022 - 07h55Por Canal Rural

Apesar da queda de Chicago, os preços da soja subiram no mercado físico brasileiro, acompanhando a alta do dólar sobre o real. O ritmo dos negócios melhorou, mas seguiu limitado a operações pontuais, com os produtores optando por vender milho nesse momento e segurar a oleaginosa.

  • Em Passo Fundo (RS), a saca de 60 quilos subiu de R$ 184,00 para R$ 185,00.
  • Na região das Missões, a cotação avançou de R$ 183,00 para R$ 184,00.
  • No Porto de Rio Grande, o preço aumentou de R$ 190,00 para R$ 191,00.
  • Em Cascavel, no Paraná, o preço passou de R$ 182,50 para R$ 186,00.
  • No porto de Paranaguá (PR), a saca valorizou de R$ 189,00 para R$ 192,50.
  • Em Rondonópolis (MT), a saca foi de R$ 164,50 para R$ 173,00.

Chicago

Os contratos futuros da soja negociados na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) fecharam a quarta-feira com preços mais baixos, pela terceira sessão consecutiva. O mercado foi pressionado pela expectativa de ampla oferta global da oleaginosa.

No curto prazo, a previsão da entrada de uma safra cheia nos Estados Unidos. E, no longo, a perspectiva de plantio e produção recorde no Brasil. Completando o cenário negativo, a aversão ao risco no cenário financeiro persiste.

Os investidores fogem das aplicações em commodities e buscam soluções mais seguras. Amenizando o impacto baixista, houve novo anúncio de vendas por parte dos exportadores privados americanos.

Dessa vez, foram 167 mil toneladas para a China. O mercado aguarda agora a divulgação, ou não, dos embarques semanais americanos. Após o confuso relatório da semana passada, ainda não há certeza sobre a atualização dos dados.

De qualquer forma, a aposta do mercado é número entre 700 mil e 1,8 milhão de toneladas. No mês, o balanço foi negativo, com a posição novembro acumulando queda de 3,13%. O clima favorável ao desenvolvimento das lavouras dos Estados Unidos e a apreensão com a economia global pesaram sobre as cotações.

Os contratos da soja em grão com entrega em novembro fecharam com baixa de 10,00 centavos ou 0,69% a US$ 14,22 1/2 por bushel. A posição janeiro teve cotação de US$ 14,27 3/4 por bushel, com perda de 9,75 centavos de dólar ou 0,67%.

Nos subprodutos, a posição dezembro do farelo fechou com baixa de US$ 9,40 ou 2,21% a US$ 415,10 por tonelada. No óleo, os contratos com vencimento em dezembro fecharam a 67,48 centavos de dólar, com ganho de 1,13 centavo ou 1,7%.