Menu
Busca terça, 22 de junho de 2021
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
28ºmax
16ºmin
Notícias

Preço do boi gordo volta a cair com escoamento lento

18 outubro 2017 - 00h00Por Canal Rural

O mercado físico do boi gordo ficou com preços mais baixos em praticamente todas as regiões nesta terça-feira, 17, segundo a consultoria Safras & Mercado. Os frigoríficos seguem reduzindo sistematicamente os preços de balcão.

A estratégia das unidades produtoras é natural, uma vez que o escoamento da carne bovina entre as cadeias ainda é lento e a oferta vem aumentando. As escalas de abate estão posicionadas entre quatro a cinco dias, em média.

De acordo com a Scot Consultoria, até o momento, a expectativa de preços mais firmes no mercado em outubro, como ocorre sazonalmente, não aconteceu. No curto prazo, a intensidade da demanda pela carne determinará o rumo do mercado do boi gordo.

Já o mercado atacadista seguiu com preços estáveis. O ambiente de negócios permanece muito lento, situação que sugere nova queda das indicações no curto prazo.

Dólar e Ibovespa

Depois de operar boa parte do dia em alta, o câmbio reverteu ganhos e fechou a sessão em queda de 0,15%, a R$ 3,169 para venda.

A especulação em torno do novo presidente do Federal Reserve (FED), o banco central dos Estados Unidos, e a declaração da Janet Yellen (atual presidente do FED), sobre a expectativa de alta na inflação americana, contribuiu para o dólar subir e se valorizar ante as principais moedas. Assim, os investidores resolveram aproveitar a alta da moeda para realizar vendas.

Enquanto isso, o mercado segue receoso quanto ao processo da segunda denúncia contra o presidente Michel Temer.

O Ibovespa encerrou com queda de 0,9%, aos 76.201 pontos.

Soja

As cotações da soja na Bolsa de Chicago (CBOT) fecharam o dia em queda pelo segundo dia consecutivo. As previsões climáticas no Brasil e nos Estados Unidos exerceram pressão sobre as cotações.

Aqui, as regiões mais secas receberam bom volume de chuvas e a previsão é de mais precipitações, favorecendo o avanço do plantio. Já nos EUA, as condições climáticas favorecem o avanço da colheita da oleaginosa.

No mercado interno, os preços da soja recuaram na maioria das praças de comercialização. A combinação de dólar e Chicago em baixa também travou a negociação. Houve registro de negócios envolvendo 20 mil toneladas no Rio Grande do Sul outras 20 mil no Piauí.

Milho

A Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) para o milho registrou preços mais baixos nesta terça. Apesar dos sinais de boa demanda para o cereal norte-americano, o mercado foi pressionado pelo indicativo de um clima mais favorável à colheita de milho nos Estados Unidos ao longo da semana, ainda que os dados relativos à semana passada tenham indicado um avanço dos trabalhos mais lento que o esperado.

Os exportadores privados dos Estados Unidos reportaram a venda de 115 mil toneladas de milho ao México, com entrega na temporada comercial 2017/2018. Foi reportada, também, a venda de 146 mil toneladas de milho a destinos não revelados, para entrega em 2017/2018.

No Brasil, houve registro de negócios. O mercado ainda se depara com inexpressiva fluidez das vendas. Os consumidores ainda encontram alguma dificuldade na composição de seus estoques. Enquanto que grande parte dos produtores ainda opta pela retenção como estratégia recorrente.