Menu
Busca quarta, 05 de agosto de 2020
Busca
(67) 99826-0686
Campo Grande
31ºmax
16ºmin
Notícias

Petrobras: Três Lagoas vai sediar a maior fábrica de Amônia e Ureia

08 outubro 2010 - 11h22Por MS Rural News
Petrobras: Três Lagoas vai sediar a maior fábrica de Amônia e Ureia

 De insumo para geração de energia até combustível em automóveis, o gás natural extraído, importado e distribuído pela Petrobras também pode transformar-se em fertilizante. Essa finalidade tornou-se questão estratégica para a maior empresa brasileira. A companhia criou o Projeto Fertilizante e anunciou a sua terceira fábrica em Três Lagoas, que será vizinha da Fibria e da International Paper, fabricantes de celulose e papel, respectivamente, no município do sudeste do Mato Grosso do Sul. 

Anunciado em meados desse ano, o investimento na cidade na divisa com o estado de São Paulo custará entre R$ 2 bilhões e R$ 3 bilhões e aproveitará uma série de vantagens que a região oferece. A primeira é o fato de o gasoduto Brasil-Bolívia passar pelo município. “A planta vai ficar a dois quilômetros do gasoduto e isso é fundamental”, diz Graça Foster, diretora de Gás e Energia. Além disso, a área onde ficará a fábrica é capaz de suportar um maior número de empresas, fator importante porque, com a indústria de fertilizantes, misturadores e outras empresas migrarão para o local. 

Mas por que a Petrobras decidiu entrar no mercado de fertilizantes? Dois são os motivos principais, segundo Graça. O primeiro deles é a ociosidade das usinas termoelétricas movidas nos períodos de chuvas, quando as hidroelétricas atendem à demanda brasileira por eletricidade. Ou seja, o gás natural importado da Bolívia ou extraído no Brasil pela empresa não é utilizado. Mesmo tendo um contrato flexível quanto à importação e condições de armazenas o produto, a companhia não considera um bom negócio deixar o gás estocado. “Precisamos ter um mercado firme quando a gente não estiver utilizando a oferta total de produção de gás”, afirma Graça. 

O segundo motivo é a atual incapacidade do Brasil, cuja vocação natural é o agronegócio, em suprir a necessidade por fertilizantes. O país importa cerca de 60% do fertilizante que necessita anualmente. “O Brasil é o quarto maior usuário de fertilizantes e importa cerca de R$ 5 bilhões.” Mesmo que secundário ao negócio da Petrobras, esse é um mercado que “interessa muito à companhia”. 

Ureia e amônia 

A partir do gás natural, a fábrica da Petrobras irá produzir amônia e ureia, produto rico em nitrogênio, a partir de um complexo processo químico-físico. Ao ano, serão fabricadas 1,21 milhão de toneladas de ureia e 81 mil toneladas de amônia. Os dois insumos serão vendidos às empresas que fazem a mistura entre diversos elementos para chegar ao produto final, o fertilizante. “Essa é uma etapa menos complexa. O investimento de um misturador é em torno de US$ 50 milhões e não exige um processo químico nem trabalha com temperatura e pressão. É como um pilão que faz uma mistura”, afirma Graça, engenheira química por formação. 

Além da fábrica em Três Lagoas, prevista para ser inaugurada dentro de quatro anos, o Projeto Fertilizantes da Petrobras já tem duas fábricas operando. Uma na Bahia, que produz 462 mil toneladas de amônia e 182 mil toneladas de amônia ao ano, e outra em Sergipe, que fabrica 594 mil toneladas de ureia ao ano. Outras três usinas integram o projeto. Uma produzirá amônia em Uberaba (SP); outra, sulfato de amônia em Sergipe, e uma sexta em Linhares (ES), que fabricará metanol, ácido acético, ácido fórmico e formaldeído.