Menu
Busca quarta, 21 de fevereiro de 2024
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
Previsão do tempo
22º
Acrissul apresenta Expogrande
AGRICULTURA

Ocorrências de ferrugem-asiática na soja disparam em MS e chegam a 34

Doença causada por fungo atinge a planta em várias etapas e pode reduzir em até 90% a produtividade

12 fevereiro 2024 - 10h59Por Lado Rural/CGNews

As ocorrências de ferrugem-asiática, doença provocada pelo fungo Phakopsora pachyrhizi e que ataca a soja, disparou em Mato Grosso do Sul de 12 casos para 34, desde 31 de janeiro. Os números são do Consórcio Antiferrugem, que faz monitoramento em tempo real e classifica a praga como uma das mais preocupantes das lavouras da oleaginosa.

A primeira ocorrência da ferrugem-asiática foi detectada nesta safra 2023-24 no município de Laguna Carapã no dia 14 de dezembro do ano passado. Os 4 primeiros casos foram registrados no município. O fungo, que estava concentrado na região Sul de Mato Grosso do Sul, agora ampliou-se por outras regiões produtoras: Chapadão do Sul tem 2 ocorrências, Iguatemi (1), Itaquiraí (4), Ivinhema (3), Laguna Carapã (4), Naviraí (19) e Ponta Porã tem uma ocorrência.

Segundo o portal da Aprosoja-MS (Associação dos Produtores de Soja de Mato Grosso do Sul), a doença causada pelo fungo Phakopsora pachyrhizi pode reduzir a produção de soja em até 90%, de acordo com pesquisas da Embrapa. Os sintomas iniciam no terço inferior das plantas, com lesões escurecidas na face adaxial (superior) e estruturas de reprodução do patógeno na face abaxial (inferior) das folhas. Com a evolução da doença, as pontuações aumentam, reduzindo a área fotossinteticamente ativa, causando amarelecimento e queda das folhas. A partir disso, a produção de fotoassimilados é comprometida, prejudicando o enchimento dos grãos e consequentemente, a produtividade das plantas.

Na safra 2022-2023 o Mato Grosso do Sul registrou 57 casos, ficando atrás apenas do Paraná, com 83 casos. Em todo o País, no ciclo passado foram 295 ocorrências.

Até o momento, o Consórcio Antiferrugem, plataforma de monitoramento gerenciada pela Embrapa, identificou 275 casos em todo o Brasil. Além de Mato Grosso do Sul, o estado do Paraná tem registro de 123 focos, seguido pelo Rio Grande do Sul, com 88. O vizinho estado do Mato Grosso tem um caso registrado pela plataforma.