Menu
Busca sábado, 31 de outubro de 2020
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
26ºmax
18ºmin
Notícias

Nova diretoria do Sindicato Rural de Bela Vista assume amanhã

11 dezembro 2009 - 00h00Por Jefferson da Luz - Via Livre Comunicação

Amanhã será realizada a cerimônia de posse da nova diretoria do Sindicato Rural de Bela Vista, o produtor Marcelo Loureiro de Almeida vai assumir o comando da entidade. Segundo ele, seu objetivo será aproximar, ainda mais, a instituição da Acrissul (Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul) e da Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul).

Entre os desafios que terá pela frente Almeida destaca as questões indígenas, ambientais e mais recentemente as tributárias. “Aqui, em Bela Vista, nós temos terras indígenas demarcadas, mas vamos acompanhar a evolução dos fatos no restante do Estado bem de perto, inclusive teremos uma comissão especialmente criada para esse fim”, disse.

Esta será a primeira vez que Almeida participa de uma organização de classe, seu envolvimento com o Sindicato começou este ano, após a Expobel, contudo, foi escolhido em uma chapa de consenso. “Não tenho muita experiência neste tipo de militância, mas não será o problema, pois isso a gente adquire. Mas, por outro lado, conheço muito bem os produtores da região, o que vai facilitar bastante nosso trabalho”.

Um de seus primeiros desafios será agregar mais produtores ao Sindicato, que hoje tem apenas 78 filiados. “Quero, no mínimo, dobrar este número”, adianta.   

Almeida vai substituir Afonso Pinheiro Filho, que foi eleito para dois mandatos consecutivos de três anos. “Hoje as entidades de classe têm de se unir para defender os produtores, independentemente de ideologia política e de partidos. Temos de sentar para discutir e, quando o Sindicato tiver de reivindicar alguma coisa, ele tem de fazer sem medo de retaliação”, disse o atual presidente.

Pinheiro lembra que um dos piores momentos que viveu quando estava no comando da entidade foi durante a crise provocada por um foco de febre aftosa em Eldorado, mas que hoje o criador também vive dias difíceis com a baixa remuneração paga pela arroba do boi.

“Mas o pecuarista vai superar isso porque o Brasil precisa o agronegócio para continuar crescendo, somos o celeiro do mundo. O produtor não pode perder a esperança. Hoje temos muita tecnologia, genética de qualidade que nos ajuda. E, um dia, o preço do boi de Mato Grosso do Sul vai ser diferente, porque aqui o animal come capim, um dia seremos reconhecido não pela quantidade, mas pela qualidade da carne que vai para a mesa dos brasileiros”, disse.

O presidente da Acrissul, Francisco Maia, estará presente a cerimônia de posse da nova diretoria do Sindicato Rural de Bela Vista.