Menu
Busca quinta, 24 de setembro de 2020
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
34ºmax
20ºmin
Notícias

MS tem 35 plantas frigoríficas, 25 estão em funcionamento, aponta estudo

22 maio 2012 - 04h20Por Midiamax

 Mato Grosso do Sul tem 35 unidades frigoríficas com SIF (Sistema de Inspeção Federal) para abate de bovinos. Destes, 25 estão em operação, em 19 municípios, sendo quatro localizados na capital. As informações foram apresentadas hoje (21) pela Famasul (Federação de Agricultura e Pecuária de MS), durante a reunião da Câmara Setorial de Bovino e Bubalinocultura de Corte de MS.

A economista e assessora técnica da Famasul, Adriana Mascarenhas, explicou que o levantamento foi realizado com base em dados coletados junto a Superintendência Federal de Agricultura (SFA/MS). Ainda segundo ela, as unidades frigoríficas com SIF são responsáveis por 95% de todo o abate realizado no Estado.

“Essa pesquisa visa dar suporte às discussões em torno da concentração na indústria de frigoríficos e subsidiar os produtores rurais, sindicatos rurais, governo e agentes de interesse, com informações reais para avaliação do cenário observado, de modo a contribuir para tomada de decisões do setor”, diz Adriana.

A capacidade de abate dos frigoríficos em operação é de até 16,4 mil cabeças de bovinos por dia, porém por dia são abatidos13,2 mil, o que representa uma ociosidade de 19%. As plantas de maior porte, com abate diário acima de mil cabeças, pertencem ao Grupo JBS, com unidades em Campo Grande, Naviraí, e ao Marfrig de Bataguassú.

O estudo que também analisa a participação de mercado do Grupo JBS revela que o grupo detém 37% do mercado, depois vem o Grupo Marfrig, com 11%, o Grupo Navi Carnes com 7% e o Grupo Minerva com 5%. Os demais frigoríficos (15 unidades) respondem junto por 40%.

“Com a aquisição das duas plantas do Frigorífico Independência pelo Grupo JBS, sendo uma em Campo Grande com capacidade de abate diário para 1 mil cabeças, e outra em Nova Andradina, com abater 1,1 mil cabeças/dia, o Grupo JBS pode atingir até 46% do mercado no Estado”, finaliza Adriana.