Menu
Busca quarta, 30 de setembro de 2020
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
40ºmax
23ºmin
Notícias

MS é o primeiro do País em mecanização na colheita da cana-de-açúcar

29 janeiro 2013 - 20h53Por Agrodebate

Mato Grosso do Sul é o primeiro do País em mecanização na colheita da cana-de-açúcar. O patamar no Estado chega a 94% de corte com o uso de máquinas, de acordo com informações apresentadas pelo presidente da Associação dos Produtores de Bioenergia (Biosul), Roberto Hollanda, em palestra no Showtec, em Maracaju. Segundo a entidade, o processo de eliminação da colheita manual da cana está muito acelerado em Mato Grosso do Sul.

A legislação estadual [lei 3.404/2007] que estipula a redução gradual da prática até 2016, previa que em 2012 pelo menos 50,2% de toda a cana produzida em Mato Grosso do Sul fosse colhida crua, mas o percentual colhido no ciclo 2012/2013 está bem acima desse índice. De acordo com Hollanda, a mecanização da cultura é um dos indicadores do crescimento sustentável do setor em Mato Grosso do Sul.

Em um período de oito anos, entre as safras 2004/2005 e 2012/2013, a produção de cana cresceu 282% no Estado, passando de 9,7 milhões de toneladas para 37,1 milhões de toneladas. Com esse volume de produção, ele explica que o Estado mantém a posição de quinto maior produtor nacional de cana, atrás de São Paulo (com 330 milhões de toneladas), Minas Gerais (com 52 milhões de toneladas), Goiás (com 53 milhões de toneladas) e Paraná (com 40 milhões de toneladas).

O presidente da Biosul projeta, entretanto, que no prazo de três a quatro safras Mato Grosso do Sul estará disputando a vice-liderança no ranking nacional com os três estados que estão atualmente a sua frente.

Das novas áreas incorporadas, conforme informações da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), 87% eram de pastagens degradadas. Atualmente, conforme ele, o Estado tem cultivado com cana 648 mil hectares, o que representa somente 3% da área ocupada pelo agronegócio. A importância do setor para a economia do Estado pode ser mensurada, conforme Hollanda, pelos empregos que gera e remuneração que oferece. Ele cita que a atividade emprega 30 mil pessoas diretamente e 90 mil indiretamente e que tem o maior salário médio da agricultura (R$ 1.118), o terceiro, na média, da indústria (R$ 1.753) e o terceiro também em massa salarial (R$ 514,2 milhões).