Menu
Busca terça, 23 de abril de 2024
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
Previsão do tempo
30º
BIOCOMBUSTÍVEL

Missão internacional conhece processo de produção de etanol no Brasil

A missão é organizada pela Associação Brasileira da Indústria de Cana-de-Açúcar e Bioenergia (Unica), em parceria com a ApexBrasil

27 julho 2022 - 11h54Por Canal Rural

Durante dez dias, uma missão formada por representantes do governo, do setor privado e da academia de oito países da América Latina, Ásia e Europa cumpre agenda no Brasil para conhecer o processo de produção de etanol e seu uso em tecnologias automotivas. A missão é organizada pela Associação Brasileira da Indústria de Cana-de-Açúcar e Bioenergia (Unica), em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil).

Juntas, elas conduzem uma agenda de diálogo para promover o biocombustível internacionalmente. Nesta missão, também são parceiros a Representação do Brasil junto aos organismos internacionais em Londres e a Organização Internacional do Açúcar (ISO). “Estamos muito entusiasmados em receber essa missão internacional, composta por países tradicionalmente produtores de açúcar, que enxergaram no etanol não só a oportunidade de diversificar a produção, como também de enfrentar os desafios da redução de emissões e os problemas de poluição”, afirma o diretor executivo da Unica, Eduardo Leão de Sousa.

A delegação é formada por especialistas de sete países: Tailândia, Filipinas, Singapura, Itália, Honduras, Guatemala e Colômbia. Eles vão conhecer os resultados positivos da produção de etanol para a economia do Brasil, para o meio ambiente e para a sociedade em geral. Desafios e avanços do setor, tecnologia, inovação e marco legal estarão na pauta das reuniões.

Visita a indústrias do setor

Em São Paulo, o grupo realizará visitas técnicas às indústrias dos setores sucroenergético e automotivo, ao Centro de Tecnologia Canavieira (CTC), à Arranjo Produtivo Local do Álcool (Apla) e à Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da Universidade de São Paulo (Esalq-USP). Também estão previstos encontros com representantes do governo brasileiro, em Brasília.

“O etanol é uma energia limpa, comprovada e testada, resultado de muitos anos de investimento em pesquisa no Brasil. E como uma imagem vale mais do que mil palavras, mostrar como processamos a cana-de-açúcar em nossa indústria tem um impacto muito forte sobre as pessoas dessa missão internacional, que também são formadores de opinião, além de especialistas no tema”, disse o embaixador Marco Farani, da Representação do Brasil em Londres.

Farani destacou as oportunidades de emprego que são geradas com a produção de etanol. Além disso, ele valorizou que se produz uma alternativa limpa e renovável de energia. “O percentual de etanol na gasolina tem aumentado em alguns países, como na Índia e nos Estados Unidos. Então, é fundamental que o Brasil, pioneiro no etanol, mostre a sua história de sucesso”, completou.

História do etanol brasileiro

A história do uso de etanol no Brasil em larga escala remete aos anos 1970, com o programa Proálcool. Atualmente, são cerca de 360 usinas de etanol, que produzem biocombustível a partir da cana-de-açúcar e do milho. Essa cadeia produtiva emprega cerca de 2,4 milhões de pessoas direta e indiretamente. São mais de 775 mil empregos formais, segundo dados do Ministério da Economia.

Um estudo publicado na revista científica Biomass and Bioenergy, por pesquisadores da Esalq/USP e da Universidade Estadual de Londrina (UEL), afirma que em cada município onde uma usina é instalada, a renda per capita aumenta em US$ 1,028 mil por ano. Já nos municípios vizinhos, o aumento é de US$ 324, per capita, anualmente.

No que se refere à mobilidade sustentável, o país tem mandato obrigatório para mistura de 27% de etanol na gasolina, além de, desde 2003, ter em circulação carros flex fuel, que funcionam tanto com gasolina quanto com etanol (ou com os dois, em qualquer proporção). Nesses quase 20 anos, cerca de 600 milhões de toneladas de CO2eq deixaram de ser lançadas na atmosfera.