Menu
Busca terça, 23 de abril de 2024
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
Previsão do tempo
30º
BOI GORDO

Mercado abre a semana em ritmo de feriado e arroba estável

Indústrias frigoríficas continuam cadenciando compras de boiadas enquanto pecuaristas evitam fechar negócios pelo patamar atual de preço

06 setembro 2022 - 07h37Por DBO Rural

Como é de praxe, as indústrias frigoríficas brasileiras permaneceram fora das compras de boiada gorda nesta segunda-feira (5/9), avaliando melhor os resultados das vendas de carne bovina durante o final de semana, informam as consultorias que acompanham diariamente o setor pecuário.

Segundo apurou a Scot Consultoria, os preços do boi gordo ficaram estáveis nas praças do interior de São Paulo, referência importante para as demais regiões pecuárias do País. “Com a semana mais curta, em função do feriado nacional de 7 de setembro, e as escalas de abate alongadas, a ponta compradora esteve fora das compras na manhã desta segunda-feira”, informa a Scot.

Dessa maneira, o preço do boi gordo paulista direcionado ao mercado interno (sem prêmio-exportação) segue valendo R$ 288/@, enquanto a vaca e a novilha gorda são negociadas, respectivamente, por R$ 270/@ e R$ 282/@ (valores brutos e a prazo). O boi-China (abatido mais jovem, com até 30 meses de idade) está cotado em R$ 300/@ no mercado paulista (preço bruto e a prazo), acrescenta a Scot.

Segundo a IHS Markit, boa parte dos frigoríficos nacionais já possuem escalas de abate para até sexta-feira próxima (9/9). “Há relatos de indústrias com programações que avançam até o final da próxima semana”, observa a consultoria. A queda de braço entre frigoríficos e pecuaristas segue intensa. Do lado de dentro da porteira, diz a IHS, alguns produtores arriscam reter os seus lotes de animais gordos, à espera por preços minimamente remuneradores.

O problema, porém, é que os custos da engorda no cocho continuam em patamares bastantes elevados, dificultando a estratégia de retenção dos animais nas fazendas. No mercado atacadista da carne bovina, a sazonalidade do período – pagamento dos salários aos trabalhadores – deve indicar uma melhora na procura para reposição de cortes bovinos no curtíssimo prazo, prevê a IHS Markit.