Menu
Busca quarta, 05 de agosto de 2020
Busca
(67) 99826-0686
Campo Grande
31ºmax
16ºmin
Notícias

JBS aposta no mercado interno em 2010

09 fevereiro 2010 - 00h00Por Valor, por Roberto Samora.

De acordo com o presidente do JBS, o mercado brasileiro está "melhor do que a média" mundial. "Se for falar na ordem, primeiro o Brasil, segundo os EUA, aí vem outros como Rússia, China..., por último Europa e Japão, são os que estão demorando mais a retomar."


As operações de bovinos no Brasil, cuja força no passado deram impulso a voos internacionais do JBS, voltam a ser uma das principais apostas do grupo em um momento em que o mercado global ainda sofre com as sequelas de uma de suas piores crises, avaliou Joesley Batista, presidente da maior empresa de proteína animal do mundo.

"Acho que [a crise] passou, só que tem sequelas... O mercado está bom, mas talvez não esteja tão bom quanto muita gente já estava precificando. Acho que o mercado interno vai ser melhor que o externo", declarou Batista após a inauguração da Escola Germinare, patrocinada pelo Instituto JBS.

Segundo ele, as margens das operações no Brasil estão se recuperando, após o negócio ter sido reestruturado por conta das restrições da União Europeia, que há dois anos aumentou as exigências em relação à rastreabilidade do gado abatido para exportação ao bloco. "Estamos conseguindo achar outros mercados, recompor: estamos crescendo; Os indicadores têm melhorado trimestre a trimestre. Vamos assistir a uma melhoria contínua das margens no Brasil", disse.

A recente fraqueza nos mercados de capitais, que levou a JBS a adiar a oferta de ações da JBS USA, parece não ter diminuído o ímpeto da companhia, que também tem operações na Austrália, Europa, América do Sul e África, e planeja expandir a distribuição direta de seus produtos.

Se o IPO nos EUA, que levantaria US$ 2 bilhões para serem investidos principalmente em distribuição, foi adiado, a empresa já conta com outros US$ 2 bilhões das debêntures compradas pelo BNDES, cuja segunda parcela de US$ 700 milhões foi depositada sexta-feira.

Com o caixa reforçado pelos recursos que garantiram os níveis de alavancagem do JBS anteriores às grandes aquisições de 2009, Batista disse que se houver alguma aquisição em 2010, o foco serão companhias que atuam "mais da porta para fora". De acordo com ele, neste ano, o grupo buscará consolidar as aquisições de Bertin e Pilgrim's, prevendo ganhos em sinergias.

"E mesmo tendo aquisições, serão aquisições alinhadas com a estratégia da distribuição e menos na produção. Vamos comprar companhias? Pode ser. Que tipo de companhia? Mais companhias voltadas ao mercado do que voltadas à produção, mais voltadas à distribuição..."