Menu
Busca segunda, 20 de setembro de 2021
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
38ºmax
26ºmin
Notícias

Ivan Wedekin: desmontar sistema de crédito rural levaria juro para 36% ao ano

19 setembro 2017 - 14h09Por Canal Rural
Ivan Wedekin: desmontar sistema de crédito rural levaria juro para 36% ao ano

O ex-secretário de Política Agrícola e atual presidente da Câmara de Crédito e Comercialização do Ministério da Agricultura Ivan Wedekin afirmou nesta segunda-feira, dia 18, que o fim do sistema de crédito rural, com o desmonte das atuais regras de concessão, levaria a uma disparada da taxa de juros para o setor agrícola. O atual sistema tem juros controlados com subsídio do Tesouro, de 8% ao ano, e os livres praticados pelo mercado para os agricultores, em 12% ao ano. Já a taxa de juro livre fora das regras do manual de crédito rural está em 36% ao ano, na média, para pessoas físicas e jurídicas.

"Se extinguir o sistema nacional de crédito rural provavelmente as taxas vão migrar para mais perto dos 36% do que dos 8% a 12% do crédito rural atual", disse Wedekin em entrevista durante a Conferência Internacional de Pecuaristas (Interconf), em Goiânia (GO). "É preciso simplificar o crédito rural, porque até mesmo o recurso livre tem muita trava, obrigatoriedade e comprovação. É muito mais fácil pegar R$ 50 mil para comprar um carro do que para plantar milho no Brasil."

A ideia de se desmontar o sistema de crédito rural brasileiro ganhou força na elaboração do Plano Agrícola e Pecuário 2017/2018. O argumento, principalmente da equipe econômica, é de que a queda da taxa básica de juros, a Selic, para 7% a 8% ao ano, faria com que os juros ao agricultor também recuassem, sem a necessidade da utilização da política pública para o setor. "Usar queda da Selic para justificar fim sistema de crédito rural é muito perigoso. A queda da Selic é positiva porque reduz subvenção do Tesouro ao crédito rural", disse Wedekin.

O ex-secretário de política agrícola do Ministério da Agricultura também criticou a ideia do governo de tributar a Letra de Crédito do Agronegócio (LCA) e os Certificados de Recebíveis do Agronegócio (CRA), títulos de financiamento privado do setor isentos de impostos. A LCA, com o limite de recursos públicos para o setor, foi incluída pelo governo no manual do crédito rural, cujas regras limitam as operações de financiamento agrícola. "Hoje a LCA responde por 14% das operações e uma tributação dela ou dos CRA possivelmente mataria uma das fontes importantes de crédito", afirmou.

Wedekin contou ainda que a Câmara de Crédito e Comercialização do Ministério da Agricultura, presidida por ele, discute, dentro da pasta e com órgãos do governo, como o Banco Central, a regulação de operação de crédito comercial não bancárias, como as feitas entre agricultores e tradings na troca de insumos por parte da produção, chamadas de barter. "É preciso criar informações e controle sobre crédito comercial não bancário. Quando o produtor toma o crédito rural, isso é registrado no Banco Central, mas quando ele faz troca na safra ninguém sabe o tamanho dessa operação e qual o risco de crédito", concluiu.

Leia Também

Decreto revoga limitação de lotação em eventos, mas mantém Regime Especial de Prevenção
Coronavírus
Decreto revoga limitação de lotação em eventos, mas mantém Regime Especial de Prevenção
Mercado Externo
Arábia Saudita retoma importação de frigoríficos de MG após embargo de 10 dias
As compras haviam sido suspensas no dia 6, após a confirmação de um caso atípico do "mal da vaca louca" no Estado
Seca no rio Paraguai segue crítica e chuvas devem ser insuficientes na primavera
Meio Ambiente
Seca no rio Paraguai segue crítica e chuvas devem ser insuficientes na primavera
Expoagro: secretário Riedel e ministro do Turismo visitam feira em Dourados
Feiras & Eventos
Expoagro: secretário Riedel e ministro do Turismo visitam feira em Dourados