Menu
Busca quinta, 24 de setembro de 2020
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
34ºmax
20ºmin
Notícias

Governo deve implantar mais 24 hidrelétricas até 2020

06 junho 2011 - 12h16Por Agência Estado

O governo esperar implantar 24 novas hidrelétricas entre 2016 e 2020. Essas usinas irão agregar ao sistema mais 18.185 megawatts (MW) de eletricidade, volume superior ao que pode ser produzido por Itaipu, a maior usina em funcionamento no país. Os dados constam da versão preliminar do Plano Decenal 2011-2020 de Expansão de Energia (PDE), que foi colocado em consulta pública pelo Ministério de Minas e Energia.

De acordo com o documento, os investimentos previstos para ampliar a oferta de energia elétrica no país até 2020 devem somar R$ 190 bilhões. Desse total, cerca de R$ 100 bilhões serão postos em novos empreendimentos, sendo 55% em hidrelétricas e 45% em projetos de fontes renováveis, como geradoras eólicas, produção a partir de biomassa e pequenas centrais hidrelétricas. Na área de transmissão, a estimativa de investimentos para o período é de R$ 46 bilhões.

Do total de usinas previstas para entrar em operação entre 2016 e 2020, oito devem ser leiloadas ainda este ano. Até o momento, entretanto, o governo tem a licença prévia para apenas duas dessas usinas, Cachoeira e Estreito Paranaíba, que juntas poderão produzir até 119 MW de energia. A maior hidrelétrica prevista para entrar em operação até 2020 é a de São Luiz do Tapajós, que terá uma capacidade máxima de geração de 6.133 MW. A estimativa prévia do governo é colocar essa usina em leilão em 2012.

A versão preliminar do PDE não prevê investimentos em novas usinas térmicas, movidas a carvão, óleo, gás ou fissão nuclear.

– A expansão da geração com fontes nucleares não contemplou neste plano outras usinas além da de Angra 3, tendo em vista, principalmente, os prazos necessários para a implantação de novas centrais – afirma o governo no texto.

Nessa quarta, dia 1º, o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, admitiu a possibilidade de não construir as quatro usinas nucleares que estão em estudo.

Petróleo e gás

O setor de petróleo e gás deve receber R$ 686 bilhões em investimentos ao longo do horizonte de 10 anos previstos no PDE.

– Espera-se que no próximo decênio a produção nacional de petróleo e gás natural seja duplicada, com a contribuição do pré-sal atingindo cerca da metade dessa produção até 2020 – afirma o governo no documento.

No segmento de biocombustíveis, a projeção de investimentos soma R$ 97 bilhões.

– Estima-se que a demanda de etanol será plenamente atendida pela expansão da oferta, através do aumento da área de plantio de cana, da ampliação e implantação de unidades produtoras, bem como do uso de novas tecnologias, que aumentarão a eficiência de toda a cadeia produtiva. Neste contexto, vislumbram-se empreendimentos direcionados a facilitar e reduzir os custos de transporte e armazenagem de etanol – argumenta o governo no texto.

O PDE ficará em consulta pública até 1º de julho. A expectativa é que a versão final seja publicada ainda no segundo semestre do ano.