Menu
Busca sábado, 24 de outubro de 2020
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
29ºmax
23ºmin
Notícias

Frigoríficos pequenos reclamam de falta de apoio

04 agosto 2010 - 00h00Por Valor Econômico, por Mauro Zanatta.

Arrastados pela crise financeira global de 2008 por falta de capital de giro e exposição à variação cambial, boa parte dos pequenos e médios frigoríficos reclama da falta de auxílio do governo e da política de "vencedores e perdedores" empreendida pelo BNDES no setor.

Mas os bancos que operam no segmento afirmam haver uma "clara tendência" de concentração. Alguns agentes até estimulam indústrias médias a vender o negócio antes de perder mais eficiência em cenário amplamente desfavorável a empresas sem capital e atuação cada vez mais global.

Considerando-se "preteridos" durante a operação de socorro ao setor, os frigoríficos afirmam ser obrigados a trabalhar alavancados em recursos de terceiros, além de ter margens apertadas e capacidade ociosa alta.

"Percebemos mais facilidades para uns grupos e menos para outros", diz o dono do Frialto, Tadeu Paulo Bellincanta. "Não houve boa vontade de operar conosco. Ficou patente a opção pela concentração". O Frialto, que deve R$ 564 milhões, mas faturava R$ 1,3 bilhão, pediu recuperação judicial em maio deste ano. Quatro de suas seis plantas estão paradas por falta de capital de giro. "Mas nosso patrimônio é maior que a dívida. Foi um "tropicão". Vamos sair dessa", diz Bellincanta.

O advogado Júlio Mandel, que representa o paulista Frigol, diz que a empresa pediu recuperação porque vinha enfrentando problemas de liquidez. "Eles tentaram recursos com o BNDES e com o Banco do Brasil, mas as propostas não foram aprovadas". A empresa tem unidades em Lençóis Paulista (SP), Água Azul do Norte (PA) e Pimenta Bueno (RO), e opera parcialmente. A dívida do Frigol, que fatura R$ 750 milhões, está na casa dos R$ 160 milhões.

Em março de 2009, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva determinou uma ajuda aos frigoríficos. Não queria que as indústrias do setor repetissem o drama da multinacional Parmalat, cuja quebra provocou desarranjo no setor lácteo, prejudicando pequenos produtores. Uma linha de R$ 10 bilhões foi criada para garantir capital de giro em um momento de retração de crédito e forte aversão a riscos.

Mas os frigoríficos médios ficaram de fora dos benefícios. Seja porque o custo do crédito era muito elevado (11,25% ao ano) ou porque as exigências de garantias reais estavam acima da capacidade do segmento. "O governo não tem uma política de apoio a esse segmento", aponta o presidente da Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo), Péricles Salazar. "O auxílio que chegou não pôde ser acessado".

No governo, avalia-se como correta a política do BNDES. Muitos desses frigoríficos médios têm gestão antiga, instalações velhas e são bastante endividados, apontam fontes. Como o setor exige muito capital, escala, logística e gestão profissional, algumas empresas estariam "fragilizadas" para receber novos aportes.

Para essas fontes, a fusão da Perdigão e Sadia na Brasil Foods pode gerar novos negócios. "Um frigorífico de nicho pode surgir de mercados onde a BRF deixará de atuar", avalia um executivo. A americana Tyson Foods, única estrangeira grande no Brasil, também poderia ser beneficiada nesse novo momento do setor, pós-julgamento da fusão pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

O cenário ainda é nebuloso no setor e alguns analistas avaliam que mais frigoríficos de porte médio podem pedir recuperação judicial. Uma das razões é que enfrentam forte concorrência na compra da escassa matéria-prima e na venda da carne.

Para algumas empresas, a situação começa a se normalizar. "Fomos lá no BNDES durante a crise, mas disseram que já tinham dado muito dinheiro para frigoríficos", relembra o diretor de Controladoria do FrigoEstrela, Rubens Andrade Ribeiro Filho. O frigorífico, que deve R$ 188,4 milhões, está em recuperação desde novembro de 2008. Dos três mil funcionários, sobrou metade. "Mas já voltamos a 2,2 mil. Agora, o faturamento ainda é 70% de antes da crise", diz.