Menu
Busca segunda, 20 de setembro de 2021
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
38ºmax
25ºmin
Notícias

Frigoríficos menores retomam espaço no mercado de Mato Grosso do Sul

03 julho 2017 - 14h34Por G1
Frigoríficos menores retomam espaço no mercado de Mato Grosso do Sul

Em Mato Grosso do Sul, milhares de animais estão no campo, prontos para o abate. Só que os pecuaristas estão mais cautelosos para vender depois dos últimos acontecimentos do setor, como as delações da JBS e a maior oferta de gado gordo. No meio desse turbilhão, frigoríficos menores retomam espaço no mercado do estado.

O pecuarista Luiz da Costa Vieira Neto segurou os animais no pasto durante dois meses. Precisando de dinheiro, decidiu, na semana passada, mandar os bois para a JBS, mas só deve receber daqui a 30 dias. É que o maior frigorífico do país mudou a modalidade de pagamentos e desde maio compra somente a prazo, nada à vista.

“Não adianta eu segurar o boi, a conta chegar e eu não ter como quitar, pagar essa conta, porque aí eu vou pagar um juro muito maior. Então tenho que fazer minhas previsões. Eu tenho conta para pagar daqui a 30, 35 dias e tenho que abater o boi agora. Para chegar lá e ter dinheiro para quitar as contas. Todo mundo tem que fazer conta. Agora nós estamos dando um crédito a JBS e esperamos que a empresa não massacre os produtores”, comentou.

Em Mato Grosso do Sul, 300 mil animais estão prontos para o abate, mas continuam nos campos. O cálculo é da Associação dos Criadores do estado (Acrissul). O principal motivo é o preço baixo. Hoje a média da arroba do boi está em R$ 123, 14% a menos em relação ao mesmo período do ano passado. Para ajudar os pecuaristas, o governo até reduziu a alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) de 12% para 7% nas vendas de gado gordo para outros estados.

“Esse gado sai e vai trazer uma arrecadação ao sair, incrementando o volume de vendas, possibilitando que o estado receba essa arrecadação que não contava, e o pecuarista, que é o dono do gado, resolva o seu problema, que é pagar as contas. Ele está apertado e precisa vender para fazer dinheiro”, comenta o presidente da Acrissul, Jonatan Barbosa.

Esse momento de desafio fez surgir um novo cenário no mercado. Com a situação, os frigoríficos menores, que perderam espaço nos últimos anos para grupos como a JBS, agora reaparecem como opção de negócios para muitos pecuaristas. Essas empresas geralmente pagam à vista, o que de certa forma, traz mais segurança para os produtores.

“Optamos por entregar o boi para quem paga à vista, isso, por quê? Porque em época de crise, com o cenário conturbado, ninguém sabe o que pode acontecer. Nós temos obrigações. Eu preciso pagar o salário dos meus funcionários. Eu preciso pagar meus fornecedores e se acontecer alguma coisa no meio do caminho não conseguirmos honrar”, aponta o presidente do Movimento Nacional dos Produtores (MNP), Rafael Gratão.

Vários frigoríficos menores do estado voltaram a trabalhar com a capacidade máxima de operação. “Houve um aumento significativo na oferta de animais para o abate. Tanto que anteriormente, trabalhávamos com uma escala com de uma semana, de sete dias. Hoje estamos trabalhando com 20 dias de escala. E dessa forma, também nós aumentamos o nosso abate em torno de 20% para atender essa maior oferta”, explica o empresário Sérgio Capicci, dono de uma frigorífico em Rio Negro.

Praticamente todos os frigoríficos de pequeno e médio portes registraram aumento de abates no mês, em Mato Grosso do Sul. Muitas empresas já procuraram, inclusive, a Superintendência Federal de Agricultura (SFA/MS), para exportar carne para mais países.

“Com muito mais frequência do que era costumeiro, temos recebido consultas. Não somente sobre a a ampliação de capacidade de exportação, como também ampliação da capacidade de operação no dia a dia. Cada frigorífico desse tem um limite de operação. Eles tê procurado o que é necessário fazer e qual a documentação necessária. Temos uma procura também de plantas que estavam paradas e já estão buscando retomar a produção”, explica o superintendente federal da Agricultura no estado, Celso Martins.

Leia Também

Decreto revoga limitação de lotação em eventos, mas mantém Regime Especial de Prevenção
Coronavírus
Decreto revoga limitação de lotação em eventos, mas mantém Regime Especial de Prevenção
Mercado Externo
Arábia Saudita retoma importação de frigoríficos de MG após embargo de 10 dias
As compras haviam sido suspensas no dia 6, após a confirmação de um caso atípico do "mal da vaca louca" no Estado
Seca no rio Paraguai segue crítica e chuvas devem ser insuficientes na primavera
Meio Ambiente
Seca no rio Paraguai segue crítica e chuvas devem ser insuficientes na primavera
Expoagro: secretário Riedel e ministro do Turismo visitam feira em Dourados
Feiras & Eventos
Expoagro: secretário Riedel e ministro do Turismo visitam feira em Dourados