Menu
Busca quinta, 04 de março de 2021
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
32ºmax
22ºmin
Notícias

Estiagem derruba produtividade do milho safrinha pela metade em MS

04 maio 2018 - 00h45Por CGNews

 A estiagem levou à quebra de pelo menos 50% da produtividade de milho safrinha em várias cidades no centro-sul de Mato Grosso do Sul. Juliano Schmaedecke, presidente da Aprosoja (Associação dos Produtores de Soja), afirma que algumas regiões estão sem chuva há um mês e se a seca continuar, a situação pode ficar ainda pior.

 
“É o caso da Água Fria, em Maracaju, onde de fevereiro para cá só teve 30 milímetros de precipitação. Também são prejudicadas plantações em Ponta Porã, Sidrolândia, Dourados, Amambai e Naviraí”, explica. Na região norte, a partir de São Gabriel do Oeste, os índices pluviométricos estão dentro da normalidade e as plantações apresentam bom desenvolvimento.
 
Levando em conta, porém, as perdas que devem ser registradas em razão da estiagem, estima-se que a produtividade total no estado deva cair em pelo menos 20%. “A safrinha passa por um momento de extrema dificuldade e o produtor vem perdendo produção dia a dia e está preocupado. Não há previsão de chuva nos próximos 30 dias”, diz Schmaedecke.
 
O presidente da Aprosoja diz ainda que os investimentos feitos em ciência e tecnologia tornaram o solo mais resistente a esse tipo de intempérie, mas com 30 dias sem chuva em alguns pontos isso não foi suficiente.
 
Comércio – O preço do milho disponível está cotado entre R$ 30 e R$ 32 atualmente, o que Schmaedecke considera excelente. “O preço futuro está girando em torno de R$ 26. Vemos que o mercado não está sinalizando muito acima o preço. Pode ser que não esteja comprando essa seca, considerando que voltando a chover essa produtividade volte a se normalizar”.
 
Para o presidente da Aprosoja, valores de mercado para o grão levam em consideração a produção nacional e lembra que em Mato Grosso e outros estados as safras estão em boas condições.
 
“Os preços do milho segunda safra nunca são muito altos e variam bastante. Tem muita área plantada no Brasil inteiro e quando falamos em mercado, temos que olhar a nível nacional. Além disso, os preços da Argentina nos favorecem. É muito difícil pontuar o que vai ser esse nosso mercado de milho”