Menu
Busca quarta, 02 de dezembro de 2020
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
33ºmax
23ºmin
Notícias

Em nove meses, exportações de carne aumentam mais de 27%

09 novembro 2009 - 00h00Por Fonte: Boi & Beef

Brasília - As exportações brasileiras de carne aumentaram 27,24% nos nove primeiros meses do ano, em comparação a igual período do ano passado. Chegaram a US$ 2,8 bilhões. A venda da carne bovina foi a que mais contribuiu para esse resultado. O incremento foi da ordem de 33,3%, o que representou US$ 1,01 bilhão. O maior volume exportado, entretanto, foi o de carne de frango: 1,4 milhão de toneladas, seguida da carne bovina "in natura", com 440 mil toneladas.

O anúncio foi feito pela Abiec (Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne). Os principais compradores da carne bovina "in natura" foram o Chile, a Holanda, o Egito e o Reino Unido. Esses países, inclusive, eleveram suas compras em 32%, 11,5%, 158% e 64% respectivamente.

As vendas para o Egito, por exemplo, geram uma receita entre US$ 7 milhões e US$ 10 milhões por mês. Esse país, segundo o presidente da Abiec e ex-ministro da Agricultura, Pratini de Moraes, simboliza bem a guinada no campo comercial brasileiro. Atualmente a carne brasileira é conhecida em mais de uma centena de países.

Em 1999, o leque era bem menor, ou seja, 44 países. Na comparação entre setembro deste ano e de 2002, as exportações de carne subiram 14,85%. Alcançaram US$ 418 milhões. A carne de frango "in natura" foi a vedete. As vendas chegaram a US$ 184,5 milhões. Na sequência, vieram a de bovino "in natura": US$ 111,9 milhões, cujos principais fregueses foram a Holanda, Chile, Reino Unido e Egito. Apesar dos bons resultados, Pratini pede cautela nas previsões de vendas no próximo ano.

Segundo ele, ano que vem é época de eleição nos Estados Unidos e, portanto, haverá chance maior daquele mercado ficar ainda mais restrito do que atualmente. No entanto, adverte, os exportadores não devem ficar parados. É recomendável que se busque intensificar as relações bilaterais, principalmente na área agrícola.

Para Pratini, o país não pode se fiar somente nas negociações multilaterais, como a da OMC (Organização Mundial do Comércio), com vistas a vender mais lá fora. Experiências exitosas de negociações bilaterais já podem ser notadas. A Rússia e a China, por exemplo, estão hoje no rol dos principais fregueses. Essa parceria, considera Pratini, é altamente salutar, uma vez que a renda nesses dois países tem crescido consideravelmente e, com ele, o consumo de carne.