Menu
Busca quinta, 24 de setembro de 2020
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
34ºmax
20ºmin
Notícias

Distrito Federal isola 1,8 mil cavalos em propriedades em função de surto de gripe equina

20 maio 2012 - 01h42Por CANAL RURAL

 Um surto de gripe equina no Distrito Federal faz com que a Secretaria de Saúde tome medidas de segurança. Para evitar que a doença se propague, 1,8 mil cavalos não podem ser deslocados das propriedades até que o período de contágio, que é de 30 dias, acabe. Na semana que vem, o órgão editará uma Portaria determinando que todos os animais que precisarem da Guia de Trânsito Animal (GTA) para se deslocar das propriedades passem a ser vacinados contra a gripe equina a cada seis meses. A exigência atual é de que a imunização seja realizada uma vez por ano.

Basta um simples contato com um animal infectado para que a doença se alastre para os demais. O surto aconteceu após a Exposição Agropecuária de Brasília, realizada em abril, quando 800 cavalos, inclusive de outros Estados, participaram do evento. Há seis anos não era registrado caso da doença no local. Os sintomas da enfermidade são febre, tosse, secreção nasal e cansaço. A gripe que atinge os cavalos não é transmitida para o homem e o principal problema, conforme o diretor de Defesa e Vigilância Agropecuária do DF, Geraldo Teixeira, é o baixo rendimento dos cavalos doentes.

– O dano é basicamente socioeconômico, com um reflexo grande no rendimento desses animais. Principalmente os de esporte. E são animais nos quais se investe muito, tanto em termos de genética quanto de treinamento. Então, com uma doença dessas, evidentemente, esses animais são praticamente impedidos de participar de provas – afirma.

Além de Brasília, há surto de gripe equina em São Paulo, Minas Gerais e no Rio Grande do Sul. Todos os casos devem ser notificados à Secretaria de Agricultura do Estado e as informações são repassadas para a Organização Mundial de Saúde Animal.