Menu
Busca quarta, 22 de maio de 2024
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
Previsão do tempo
27º
FORMAÇÃO TÉCNICA

De aluna à professora e produtora rural, Nilza viu a vida transformada com o Senar/MS

Nilza Oliveira leciona no Centro de Excelência em Bovinocultura de Corte onde foi aluna durante dois anos

22 abril 2024 - 11h51Por Famasul

As principais lembranças da Nilza Oliveira na infância são os dias vividos nos sítios dos avós, a convivência com os animais e com a natureza. São esses momentos e experiências que a levaram ao trabalho no campo. Isso foi possível graças ao curso de Técnico em Agropecuária do Senar/MS onde também se tornou instrutora e leva conhecimento para novos profissionais da área.

Antes de se tornar aluna, Nilza Oliveira já trabalhava na empresa de leilões de gado do esposo. Com o desejo de ter mais conhecimento e capacitação, conseguiu uma vaga no curso Técnico em Agropecuária do Senar/MS, realizado no Centro de Excelência em Bovinocultura de Corte, em Campo Grande. Com o passar do tempo, a aluna percebeu que poderia aplicar as técnicas aprendidas nas aulas na propriedade da família. Até que em uma determinada disciplina descobriu que o potencial era maior do que imaginava.

“Durante a aula de casqueamento de ovinos eu fiquei muito interessada e apaixonada mesmo por esses animais. Foi nesse momento que eu decidi me tornar uma produtora de ovinos. O curso me deu as técnicas práticas e teóricas que me fizessem ter mais facilidade. Nós iniciamos com 25 animais e já estamos 37. Então com a parceria do Senar eu tenho certeza de que vamos ter muito sucesso”, explica Nilza.

Assim que concluiu o curso, Nilza sentia que queria mais. Formada também em biologia, ela prestou o processo seletivo para se tornar instrutora do Centro de Excelência em Bovinocultura de Corte e conseguiu. Nilza também atua nos polos da rede E-TEC do Senar. “Esse foi mais um sonho realizado. Hoje eu consigo repassar o legado dos meus instrutores ajudando na formação de novos profissionais da área. Então o Senar na minha vida foi um divisor de águas”, conta Nilza.