Menu
Busca sexta, 14 de agosto de 2020
Busca
(67) 99826-0686
Campo Grande
35ºmax
21ºmin
Notícias

Com 30% dos grãos colhidos produtor estima bons resultados

13 setembro 2010 - 00h00

Com 30% da área plantada com trigo e aveia já colhidos, os produtores comemoram o bom resultado alcançado até agora, mas torcem para que a seca no período final da formação do grão não diminua a produtividade. Se a falta de chuva preocupa quem já está colhendo, deixa apreensivo também aquele produtor que está se preparando para o plantio da safra de verão: milho e soja.

Na região abrangida pelo Núcleo Regional da Secretaria de Agricultura e Abastecimento (Seab) são 110.985 hectares plantados com trigo e outros 40 mil hectares plantados com aveia.

De acordo com o Engenheiro Agrônomo Paulo Henrique Noronha Dias, tudo está correndo dentro do esperado. Assim foi com a lavoura do produtor Inranlei Saraiva. Ele terminou recentemente a colheita de trigo de sua propriedade na região de Farol. “Não tivemos nenhum problema esse ano, a produtividade foi muito boa inclusive.” Mas a seca registrada desde o começo de agosto provavelmente vai ser sentida nas propriedades que estão terminando a colheita. “Até agora está tudo certo e os índices atingidos estão como já era esperado. Só que daqui para frente é esperado que haja uma redução no potencial produtivo.

Principalmente pela seca que pegou a fase final de formação dos grãos”, diz. O Engenheiro Agrônomo explicou que chuva que caiu no início da semana foi insuficiente e veio um pouco tarde para que tenha qualquer influência sobre a safra. De acordo com os dados da estação climatológica de Campo Mourão, pertencente ao Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia), desde o dia 2 de agosto, foram registrados apenas 12 milímetros de chuva na região.

Os dados do Departamento de Economia Rural (Deral) da Seab apontam que a produtividade esperada para o trigo é de 2.461 quilos para cada hectare. Apesar de ser uma produtividade alta, para os agricultores isso continua não sendo traduzido em lucro. “Colhi muito bem, mas pelo preço que está sendo pago hoje, é prejuízo na certa”, lamenta Saraiva.