Menu
Busca segunda, 01 de março de 2021
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
33ºmax
21ºmin
Notícias

CNA e ABPA formam comitê para acompanhar crise no mercado de carnes

09 maio 2018 - 01h02Por CNA
CNA e ABPA formam comitê para acompanhar crise no mercado de carnes

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e a Associação Brasileira da Proteína Animal (ABPA) decidiram constituir um Comitê de Gestão de Crise para acompanhar e propor soluções em relação aos problemas enfrentados pelas carnes de aves e suínos do Brasil no mercado internacional.

 
A decisão foi tomada durante uma reunião com representantes das duas entidades nesta terça-feira (08), em Chapecó. A preocupação do Comitê é assegurar a sustentabilidade da cadeia produtiva de carnes, o emprego dos trabalhadores nas indústrias e a viabilidade dos produtores rurais integrados.
 
“Precisamos estabelecer um pacto do tipo ganha-ganha entre produtor e indústria para que todos sejam adequadamente remunerados e para que, em situação de crise, todos suportem de modo proporcional às dificuldades”, disse o presidente da CNA João Martins da Silva Júnior.
 
A pauta prioritária já foi estabelecida e vai tratar de quatro temas: a imagem dos produtos brasileiros no exterior, a flexibilização dos financiamentos pelos Bancos oficiais e privados, o suprimento de milho e a comunicação social. Na próxima terça-feira (15), o grupo se reunirá para colocar em prática as primeiras medidas.
 
O diretor da ABPA, Ariel Mendes, afirmou que é necessário reagir de forma articulada para evitar a perda de mercados duramente conquistados pelo Brasil. Segundo ele, Europa e Ásia serão os primeiros alvos de ações de recuperação de mercado.
 
O presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de Santa Catarina (Faesc), José Zeferino Pedrozo, defende uma atuação mais agressiva da diplomacia brasileira em defesa dos produtos nos grandes mercados mundiais.
 
Crise - A motivação para a criação do Comitê é o fato das companhias avícolas e de suínos enfrentarem dificuldades desde agosto do ano passado. O quadro agravou-se no último bimestre de 2017, quando várias empresas foram desabilitadas a exportar para a Europa. No mesmo período, a Rússia, que representava um grande comprador de produtos cárneos, suspendeu as importações. Nesse momento não há previsão de retomada desses mercados.
 
Simultaneamente, o suprimento do milho – principal insumo da cadeia – apresenta distorções causadas pela retenção dos estoques, o que eleva seu custo e encarece a produção de aves e suínos. A reunião também contou com a participação do superintendente técnico da CNA, Bruno Lucchi, e da superintendente de Relações Internacionais da CNA, Lígia Dutra.