Menu
Busca terça, 20 de outubro de 2020
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
30ºmax
21ºmin
Notícias

Campanha de Vacinação Antirrábica Canina e Felina termina em novembro

13 outubro 2009 - 00h00Por Notícias MS

Até 17 de novembro a Secretaria de Estado de Saúde (SES) promove a Campanha de Vacinação Antirrábica Canina e Felina de Mato Grosso do Sul. A campanha teve início em agosto e o dia “D” foi 26 de setembro.

 

Enquanto para a SES coube a orientação, monitoramento e suporte para a campanha, cada uma das 78 secretarias municipais de Saúde ficou responsável por decidir a melhor estratégia para vacinar os animais. A maioria delas optou por um local fixo onde a população deve levar os cães e gatos para serem imunizados. Já as secretarias de Campo Grande e Corumbá decidiram pela visita domiciliar dos técnicos para vacinarem os animais, caso o proprietário do imóvel tenha algum.

 

O principal objetivo da campanha é manter em “zero” o número de casos de raiva humana em Mato Grosso do Sul. Além disso, os trabalhos visam:

 

•        controlar e eliminar os casos de raiva canina e felina no Estado;

•        desenvolver ações de controle e prevenção da raiva animal com o Paraguai e a Bolívia, com o objetivo de aumentar a cobertura vacinal na fronteira;

•        supervisionar as ações de vacinação in locus;

•        capacitar as equipes de saúde.

 

A estimativa da população canina no Estado é de 456.765 e a felina chega a 95.007 animais. A meta de vacinação estabelecida pelo Ministério da Saúde é vacinar, no mínimo, 80% dos cães e gatos. O último registro de caso de raiva humana em Mato Grosso do Sul foi em 1994, contudo, a vacinação dos animais é essencial, pois ainda existe circulação do vírus que provoca a doença. Este ano, de um total de R$ 166.541,51, a SES investiu R$ 136.938,04.

 

A Raiva

 

A Encefalite Viral Aguda, mais conhecida como “Raiva”, é transmitida por mamíferos, e apresenta dois ciclos principais de transmissão: urbano e silvestre. O vírus rábico pertence ao gênero Lyssavirus, da família Rhabdoviridae.

 

O vírus penetra no organismo, atinge o sistema nervoso periférico e, posteriormente, o sistema nervoso central. A partir daí, dissemina-se para vários órgãos e glândulas salivares, onde também se replica e é eliminado pela saliva das pessoas ou dos animais enfermos. Qualquer mamífero pode adquirir a doença.

 

Para o controle efetivo da doença é necessário realizar bloqueios de foco (em até, no máximo, 72 horas), manter altas coberturas vacinais caninas, retirar animais de rua, realizar o censo canino, educação em saúde, profilaxia adequada em tempo oportuno e garantir realização do esquema de vacinação completo.

 

A população precisa ficar atenta à necessidade de procurar assistência médica, mesmo em situações aparentemente não graves, tais como arranhaduras e lambeduras feitas por algum animal. Também é recomendado tratamento profilático antirrábico, com aplicação de soro e vacina – os quais estão disponibilizados na rede do Sistema Único de Saúde (SUS) –, gratuitamente, quando qualquer pessoa é agredida por espécie silvestre (ex: morcegos, raposa e saguis).