Menu
Busca sábado, 24 de outubro de 2020
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
29ºmax
23ºmin
Notícias

Brasil reagirá a travas contra criação de gado

24 fevereiro 2010 - 00h00Por Valor Econômico, por Assis Moreira.

O Brasil não aceitará propostas para restringir a criação de gado como uma das medidas para controlar o nível de emissões de gases no setor agrícola global, avisou ontem o secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Edílson Guimarães.

Ele representará o Brasil na reunião de amanhã e sexta-feira de ministros de Agricultura de 40 países na Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que terá no centro da agenda o vínculo entre agricultura e mudanças climáticas, com desdobramentos em futuras políticas nacionais e internacionais do setor.

Como o Valor revelou ontem, o documento de base para os ministros coloca ênfase na questão climática, aponta a agricultura como responsável por uma parte significativa das emissões de gases de efeito estufa e diz que será "inevitável" sua contribuição para a mitigação do problema.

No entanto, o texto de nove páginas não fala explicitamente em restrição da criação de gado. Basicamente, sugere nova nutrição para animais afim de reduzir as emissões de metano. Nas reuniões na OCDE, ninguém falou "em vaquinhas", segundo uma fonte próxima à entidade, e a expectativa é de que os ministros não toquem diretamente nesse tipo de detalhe.

A delegação brasileira, porém, está alerta sobre os desdobramento da reunião ministerial de Paris. Países europeus já tentaram introduzir a proposta de restringir o uso de carnes durante reunião do G-8 na Itália, no ano passado. Houve um racha no grupo dos ricos porque os EUA, como grande produtor, freou a ofensiva europeia.

Na semana passada, a Agência das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO) propôs uma taxa ambiental para a pecuária pagar por estragos causados ao ambiente na produção de carnes.

O Brasil é um dos maiores produtores de carnes do mundo, é o maior exportador de carne bovina, tem na JBS a maior companhia do segmento do mundo e toda e qualquer discussão envolvendo a pecuária afeta o país.

Edílson Guimarães considera problemáticas as sugestões que teriam sido feitas por países ricos para restringir a criação de gado por razões ambientais. "O Brasil é credor em termos de emissão de gases, portanto nossa agricultura não pode ser acusada", disse.

Na Europa, em todo caso, sucedem-se campanhas que buscam reduzir o consumo de carne bovina ou simplesmente combater o consumo de qualquer carne.