Menu
Busca segunda, 20 de setembro de 2021
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
38ºmax
26ºmin
Notícias

Análise de solos no Brasil vai contar com tecnologia usada pela Nasa

11 maio 2018 - 11h11Por Revista Globo Rural

Cientistas brasileiros desenvolveram um equipamento capaz de analisar solos de forma rápida, limpa e economicamente acessível ao produtor rural. A inovação não gera resíduos químicos e pode fazer a análise de 1.500 amostras por dia, fornecendo dados de quantidade de carbono orgânico do solo, textura (teores de areia, silte e argila) e pH.

 
O equipamento, batizado de AGLIBS, é o primeiro resultado da parceria da Embrapa Instrumentação (SP) com uma startup voltada ao agronegócio, que levou à criação da Agrorobótica, fundada em 2015. O desenvolvimento começou após a empresa observar que muitos agricultores não faziam a análise de solo devido ao seu alto custo e, por isso, aplicacavam insumos agrícolas sem recomendações agronômicas, gerando falta ou excesso de corretivos e fertilizantes nas lavouras.
 
A previsão da Agrorobótica é que a nova tecnologia esteja disponível no mercado ainda neste primeiro semestre, e que possa avaliar em tempo real, em laboratório, as amostras de solo, enquanto as análises convencionais demoram alguns dias para fornecer resultados.
 
De Marte para o campo
 
A novidade usa a mesma tecnologia do Rover Curiosity, o robô da agência espacial norte-americana (Nasa) para averiguar a presença de água em Marte. É a espectroscopia de emissão óptica com plasma induzido por laser. A sigla dessa tecnologia, Libs, explica o nome do novo equipamento.
 
Em nota, a pesquisadora da Embrapa Débora Milori explicou como a tecnologia funciona. “O sistema Libs dispara um laser de alta energia na amostra, gerando um plasma que emite luz oriunda dos átomos e íons presentes no solo”, diz. “A emissão de luz de cada elemento é como uma impressão digital que possibilita identificar o átomo que está no plasma. Dessa forma, é possível quantificar carbono, nutrientes e contaminantes do solo".
 
A doutora em física Aida Bebeachibuli Magalhães, sócia da Agrorobótica, explica que a capacidade operacional do equipamento permite que ele faça cerca de 360 mil análises anuais de amostras, realizadas sem gerar resíduos químicos. “Esse volume é quase o dobro de análises realizadas por grandes laboratórios que utilizam metodologia tradicional no Brasil, envolvendo 13 processos”, afirma a cientista, ressaltando que com a nova tecnologia é realizado um único processo. 
 
Para fazer a tecnologia chegar ao produtor, a Agrorobótica aposta em um sistema de franquia, que deve contar com laboratórios, cooperativas, revendas e empresas envolvidas com agricultura de precisão. O produtor encaminhará suas amostras de solo para um franqueado e o resultado será enviado para uma central de análise da empresa, que responderá com os resultados das características do solo e as recomendações em relação ao seu uso.

Leia Também

Decreto revoga limitação de lotação em eventos, mas mantém Regime Especial de Prevenção
Coronavírus
Decreto revoga limitação de lotação em eventos, mas mantém Regime Especial de Prevenção
Mercado Externo
Arábia Saudita retoma importação de frigoríficos de MG após embargo de 10 dias
As compras haviam sido suspensas no dia 6, após a confirmação de um caso atípico do "mal da vaca louca" no Estado
Seca no rio Paraguai segue crítica e chuvas devem ser insuficientes na primavera
Meio Ambiente
Seca no rio Paraguai segue crítica e chuvas devem ser insuficientes na primavera
Expoagro: secretário Riedel e ministro do Turismo visitam feira em Dourados
Feiras & Eventos
Expoagro: secretário Riedel e ministro do Turismo visitam feira em Dourados