Menu
Busca segunda, 10 de agosto de 2020
Busca
(67) 99826-0686
Campo Grande
32ºmax
19ºmin
Notícias

Alta do boi beneficia setor de frangos e suínos

19 outubro 2010 - 00h00Por BeefPoint

O aumento expressivo dos preços da carne bovina verificado desde setembro tem elevado a demanda de cortes de aves e suínos. De uma média de R$ 78,00 a arroba no País, os preços da carne bovina alcançaram R$ 83,00, no período compreendido entre o final de agosto e o início de setembro. Diante desse cenário, mesmo com o pequeno aumento de preços da carne de frango e suínos ocorrido pela valorização do milho, os consumidores vêm substituindo a carne vermelha.

No Rio Grande do Sul o movimento acompanha a tendência nacional, registrando um incremento que elevou o quilo da carne bovina para R$ 2,90 ou R$ 87,00 a arroba, ante R$ 2,70/quilo ou R$ 82,00 a arroba. Em São Paulo, a cotação beirava os R$ 95,00.
De acordo com o analista da Safras e Mercado, Fernando Henrique Iglesias, o maior problema está na redução de oferta de matéria-prima, verificada em várias praças no País. "No Rio Grande do Sul isso se tornou um problema crônico", avalia Iglesias.

No caso dos suínos, a expansão de consumo foi marcante nos últimos dias, não só pela elevação da carne bovina, mas também em função da aproximação das festas de final de ano. "A oferta e a demanda estão equilibradas, o que, frente ao cenário de maior consumo, tem ajudado a elevar um pouco os preços do suíno", disse o presidente da Associação dos Criadores de Suínos do Rio Grande do Sul (Acsurs), Valdecir Folador.

A redução na oferta do produto ainda é reflexo da queda dos abates, por conta da crise de 2009. No final de julho, os preços de produtores não integrados estavam cotados a R$ 2,15 o quilo, volume que pela cotação atual chega a R$ 2,90. Entre os integrados, o aumento foi de R$ 2,00 para R$ 2,40.

Na região Sul, o volume de abates apresentou retração de 1,5% entre agosto de 2009 e o mesmo período de 2010. "Ainda não houve aumento dos plantéis, o que deve ocorrer em até 30 meses", disse Folador. A aposta é que o consumo passe dos atuais 13 quilos/ano por pessoa para até 18 quilos/ano até 2015. "Esperamos que a carne suína tenha uma participação maior na mesa do brasileiro", disse Fabiano Coser, diretor-executivo da Associação Brasileira de Criadores de Suínos (ABCS).

O setor de aves também comemorou o cenário positivo. O presidente da Ubabef, Francisco Turra, disse que a opção do brasileiro pela carne de frango é crescente: em 2009 foram consumidos 31 quilos de carne de frango por habitante, frente aos 42 quilos de carne bovina. "Em 2010 esse número é outro: foram 41,5 quilos de frango por habitante e 35 quilos de carne bovina", comparou. Para o dirigente, esse fenômeno se deve principalmente aos preços acessíveis da carne de frango, que mesmo quando está valorizada ainda é mais acessível. "É a proteína mais barata e a segunda mais consumida no mundo", afirma. O Brasil produz atualmente 12 milhões de toneladas de frango.

A reportagem é do Jornal do Comércio/RS, adaptada pela Equipe BeefPoint.