Menu
Busca segunda, 20 de setembro de 2021
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
38ºmax
26ºmin
Notícias

Abate de bovinos volta a crescer após três anos de quedas

22 março 2018 - 13h12Por Estadão Conteúdo e Agência Brasil
Após três anos de quedas, o abate de bovinos voltou a crescer no Brasil. De acordo com o Instito Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2017, o país abateu 30,8 milhões de cabeças em frigoríficos com algum tipo de inspeção sanitária, o que representa um aumento de 3,8% em relação ao número de animais abatidos no ano anterior. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira, 21 de março.
 
O crescimento mostra a pecuária superando a crise verificada ao longo do ano passado, marcado pela redução da demanda por carne bovina no mercado interno e pela Operação Carne Fraca, da Polícia Federal.
 
Ao fechar 2017 com abate de 30,8 milhões de cabeças, o setor da pecuária abateu mais 1,1 milhão de cabeças de gado do que em 2016. Esse foi o primeiro crescimento anual após quedas entre 2014 e 2016.
 
O IBGE disse que, em abril de 2017, o setor acusou queda de 15,6% no abate em relação a março, a segunda maior retração mensal da série histórica iniciada em 1997. Segundo o instituto, os motivos principais foram “a paralisação de atividades e férias coletivas concedidas por frigoríficos da empresa alvo da operação policial”, o que levou a um resultado negativo no segundo trimestre de 2017: queda de 3%.
 
Outro desafio enfrentado pelo setor, segundo o IBGE, foi o desaquecimento na demanda interna por carne bovina, em razão da crise econômica. “Isso é mostrado pela queda nos preços de todos os cortes de carne. Enquanto o Índice de Preços do Consumidor Amplo (IPCA) de 2017 foi de 2,95%, o filé mignon teve deflação (inflação negativa) de 5,53%, a alcatra, de 4,95%, e a costela, de 2,52%.”
 
Para a gerente de pecuária do IBGE, Angela Lobão, 2017 foi “um ano desafiador para a pecuária por conta da demanda ainda enfraquecida no mercado interno e da operação Carne Fraca, da Polícia Federal”.
 
Ainda segunda Angela, contribuíram para contornar a crise “o aumento de 12,1% nas exportações de carne bovina, cujo principal comprador é a Rússia, e a maior oferta de animais devido a investimentos em reprodução para o aumento de efetivos”.
 
Estados
Houve elevação no abate em 16 das 27 Unidades da Federação. Os principais aumentos ocorreram em Goiás (+355.500 cabeças), Minas Gerais (+297.030 cabeças), Mato Grosso (+227.150 cabeças), Mato Grosso do Sul (+144.610 cabeças), Paraná (+85.650 cabeças), Rondônia (+68.360 cabeças), Bahia (+34.920 cabeças), Rio Grande do Sul (+31.340 cabeças) e Santa Catarina (+23.950 cabeças).
 
As reduções mais relevantes foram no Pará (-86.950 cabeças), Tocantins (-42.460 cabeças), Maranhão (-38.230 cabeças) e Acre (-25.670 cabeças).
 
Mato Grosso manteve a liderança do ranking do abate de bovinos em 2017, com 15,6% da participação nacional, seguido pelo Mato Grosso do Sul (11,1%) e Goiás (10,3%). No quarto trimestre de 2017, foram abatidas 8 milhões de cabeças de bovinos, alta de 0,4% ante o trimestre imediatamente anterior. Na comparação com o mesmo trimestre de 2016, o avanço foi de 8,3%.

Leia Também

Decreto revoga limitação de lotação em eventos, mas mantém Regime Especial de Prevenção
Coronavírus
Decreto revoga limitação de lotação em eventos, mas mantém Regime Especial de Prevenção
Mercado Externo
Arábia Saudita retoma importação de frigoríficos de MG após embargo de 10 dias
As compras haviam sido suspensas no dia 6, após a confirmação de um caso atípico do "mal da vaca louca" no Estado
Seca no rio Paraguai segue crítica e chuvas devem ser insuficientes na primavera
Meio Ambiente
Seca no rio Paraguai segue crítica e chuvas devem ser insuficientes na primavera
Expoagro: secretário Riedel e ministro do Turismo visitam feira em Dourados
Feiras & Eventos
Expoagro: secretário Riedel e ministro do Turismo visitam feira em Dourados