Menu
Busca quarta, 12 de agosto de 2020
Busca
(67) 99826-0686
Campo Grande
33ºmax
20ºmin
Expogrande

Segue programação de leilões da Expogrande

11 março 2010 - 00h00Por Jefferson da Luz - Via Livre Comunicação

Dentro da programação da Expogrande 2010 acontece hoje o Leilão Taquari Corte. Serão oferecidos 500 animais da raça nelore para corte. O evento será realizado às 20h no tatersal 2 do Parque de Exposições Laucídio Coelho.

Até hoje, antes mesmo da feira ter início, já foram realizados dois Leilões: o BPW e o Bons Amigos. Outros 41 estão agendados até o fim do evento.  

História da empresa - A Taquari Leilões Rurais é uma empresa nova no segmento, mas não se engane pensando que isso significa inexperiência, ela é dirigida por Pantaleão Flores -mais conhecido como Panta- e seu irmão Aparício Flores, que têm 25 anos de experiência com leilões.

A empresa nasceu voltada para atender produtores da região do Pantanal. “Lá, o acesso é muito difícil, o que dificulta a comercialização dos animais. E, por conta disso, muitos pecuaristas têm de vender sua produção abaixo do preço justo”, explica Panta.

E é justamente aí que a Taquari Leilões apresenta uma solução para o criador pantaneiro, a empresa traz o gado das regiões da Nhecolândia e Paiaguás para serem comercializados no Leilão do Corixão, e este serviço de pegar o gado e levar para vender é feito sem nenhum custo para o vendedor.

“Nós temos duas comitivas que passam pelas fazendas arrebanhando os animais e levando para o Corixão”, conta. “Não é necessário que o pecuarista tenha uma grande quantidade de animais é só falar que quer vender e a gente junta tudo na comitiva e leva para o leilão”, detalha.

A dificuldade em movimentar o gado faz com que os preços dos animais na região sejam abaixo da média do Estado. Ou pelo menos fazia. “A gente vai lá, pega o gado e vende por um preço justo e assim todos saem satisfeitos”.

Segundo Panta, os leilões do Corixão também são uma comodidade a mais para os compradores, isso porque eles não precisão mais sair pelas fazendas à procura dos animais para a reposição, o que era dispendioso e nem sempre resultava em negócio fechado. “Para ir ver o gado em uma propriedade ele tem de reservar no mínimo dois dias. No leilão o comprador tem à disposição animais de várias fazendas e em grandes quantidades”, ressalta.

O Leilão do Corixão é realizado todos os primeiros sábados de cada mês -exceto em maio, quando começa a vacinação-, e no ano passado bateu um recorde para esse tipo de comercialização no Estado, vendeu seis mil animais em um único evento.

“O Corixão já virou um pondo de encontro e uma referência na região. Muitos pecuaristas vão para lá para ver os amigos e fazer cotação de preços”, afirma Aparício.