Menu
Busca domingo, 09 de agosto de 2020
Busca
(67) 99826-0686
Campo Grande
31ºmax
16ºmin
Expogrande

Apetite para carne ovina pode impulsionar produção em MS; dia é voltado à ovinocultura na Expogrande

26 março 2010 - 00h00Por Carlos Henrique Braga/Via Livre Comunicação

A produção de ovinos em Mato Grosso do Sul pode tomar impulso se o apetite do consumidor para a carne crescer. O brasileiro come, em média, 700 gramas desse tipo de carne por ano, e quase 90% é importada do Uruguai. Já em Campo Grande, a média consumida da carne de ovelha cai para 200 gramas anuais, segundo estimativa do setor. Não é apenas questão de hábito, mas de fortalecimento da cadeia produtiva. Para comparação: o consumo de carne bovina médio por habitante é de 36 quilos por ano. Hoje, MS tem 465 mil ovinos nos campo, segundo produtores, número que pode subir junto com a vontade de consumir esse tipo de carne.

“A atividade está estabilizada no Estado, e tende a crescer. O mercado está ávido pela carne, principalmente São Paulo”, afirmou o presidente da Associação Sul-Mato-Grossende de Criadores de Ovinos (Asmaco), Jorge Tupirajá, na manhã de hoje (26), em palestra na Expogrande 2010. O evento abriu o 9° Congresso Sul-Mato-Grossense de Ovinocultura, que ainda tem quatro palestras nesta sexta-feira.

O presidente contou à plateia de estudantes universitários e produtores rurais que foi procurado, durante a feira, pelo frigorífico Marfrig e por uma rede de supermercados interessados no fornecimento de carne. As propostas, segundo ele, foram boas. “O Marfrig ofereceu R$ 125 por arroba, e a rede de supermercados paga até R$ 200 pela carne de boa qualidade”.
 
De acordo com Tupirajá, o frigorífco opera abaixo da capacidade de abates porque faltam ovinos no mercado. “Eles têm capacidade para 2 mil animais e abatem 600”. Ele reclamou da pauta fiscal do ovino, que dificulta a comercialização com outros estados. A pauta é o preço estipulado pelo governo estadual como referência para cobrança do Imposto sobre Circulação de Mercadorias (ICMS) e, usualmente, é superior ao de mercado. “10% do valor da venda do ovino é usado para cobrir gastos com transporte e impostos”, queixou-se.
 
A programação de palestras da Expogrande desta sexta-feira é dedicada aos ovinos. Veja os horários dos eventos:
 
9h20 às 11h – Proposta de um Plano de Desenvolvimento Institucional(PDI) da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Ovinocultura (CSPO) de MS, com professor doutor da Universidade da Grande Dourados (UFGD), Fernando Vargas Júnior;
 
13h30 – Sistema de Terminação de Ovinos em Confinamento, com médica veterinária Ana Cristina Bezerra;
 
14h40 – A Ovinocultura em Debate – Entraves, com profissionais do setor
 
Mais tarde, às 19h, o assunto muda. O zootecnista Celso Ângelo Ribeiro de Menezes, da Associação Brasileira de Criadores de Girolando, debate “A Evolução da Raça e Perspectivas”.
 
Todas as palestras ocorrem no auditório da Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul (Acrissul), no Parque de Exposições Laucídio Coelho, em Campo Grande.