Menu
Busca sábado, 24 de outubro de 2020
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
29ºmax
23ºmin
Expogrande

Acrissul pode cancelar shows se houver decisão judicial proibindo cobrança de ingressos

24 março 2010 - 00h00Por Da Assessoria de Imprensa

O presidente da Acrissul, Francisco Maia, afirmou hoje que a insistência do Ministério Público Federal em querer suspender a cobrança de ingressos por ocasião da 72ª Expogrande, pode acabar levando a associação a cancelar os shows para garantir a segurança pública no Parque de Exposições Laucídio Coelho e em suas imediações.  Ontem a Justiça Federal negou pedido do MPF (Ministério Público Federal) para suspender a cobrança de ingresso, no valor de R$ 10 a R$ 16, durante a 72ª Expogrande. A Procuradoria da República recorreu ao TRF (Tribunal Regional Federal da 3ª Região) contra a decisão.

 

 
A agenda da Expogrande prevê shows com os cantores Camila Prates e Henrique (quarta-feira); Djavu e DJ Juninho Portugal (quinta-feira); Luan Santana (sexta-feira); Bruno e Marrone (sábado); e Marcos e Belutti (domingo). "Só para o show do cantor Luan Santana espera-se um público de 60 mil pessoas. Milhares de ingressos já foram vendidos, uma decisão judicial impensada, sem avaliar a situação social numa amplitude racional pode causar um grande transtorno para todos", ponderou Chico Maia. Para o show de Bruno e Marrone é esperado um público semelhante.
 
Dezenas de caravanas estão se preparando para vir aos shows, do interior e até de outros estados. "Seria lamentável, por exemplo, ter de suspender o show do cantor campo-grandense Luan Santana, que despontou no cenário nacional e vai atrair milhares de jovens para o Parque de Exposições", emendou. Mas será tudo para garantir a segurança dos estandes e dos expositores da Expogrande, que neste ano está batendo todos os recordes históricos: de visitantes, de faturamento, de número de expositores e de animais em exposição.
 
O governo federal, através de emendas de parlamentares vai liberar R$ 1 milhão para ajudar a custear despesas da Expogrande, e é só desta forma que a Acrissul consegue, em contra-partida, manter um preço acessível do ingresso (de R$ 10 a R$ 16,00), além de manter dois dias de portões com entrada franca, e ainda promover atividades de lazer e entretenimento com crianças da rede pública de ensino, com acesso gratuito ao parque de diversões e lanches durante as visitações diárias. "Em qualquer feira agropecuária, mesmo subsidiadas por patrocínios, o ingresso não custa menos que R$ 30,00", compara Chico Maia.
 
Em dois dias de portões com entrada franca a Acrissul registrou a presença de 70 mil visitantes. "Isso significa que as famílias estão voltando a frequentar o Parque de Exposições, que os expositores acreditaram no potencial da festa e lotaram o recinto com seus produtos e serviços", afirma o presidente da Acrissul. "Seria realmente lamentável que uma decisão judicial, sem medir as consequências sociais e econômicas para todos, viesse obrigar a Acrissul a suspender os shows programados, que é uma opção tradicional de diversão para todos os sul-mato-grossenses. Mas é tudo para evitar o caos", finaliza.