Menu
Busca domingo, 20 de setembro de 2020
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
27ºmax
19ºmin
Notícias

Sindicalista sugere importação de gado da Bolívia para evitar demissões em MS

07 outubro 2011 - 11h43Por Agora MS

Apesar de Mato Grosso do Sul entrar agora no período de engorda bovina, o governo deveria facilitar a importação de boi em pé da Bolívia, já que o comércio com o Paraguai está inviável devido aos focos de febre aftosa detectados nesse país vizinho. A sugestão é de Rinaldo de Souza Salomão, presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria de Alimentação e Afins de Campo Grande e Região – STIAA-CG e tem por objetivo, segundo ele, suprir as indústrias do Estado e evitar possíveis demissões no setor.

“Apesar das chuvas no Estado, que estão fortalecendo as pastagens, a engorda do gado para abate ainda vai demorar um pouco. Por isso sugerirmos às autoridades para que facilitem a importação de gado da Bolívia para que os nossos frigoríficos supram o mercado interno e cumpram com seus compromissos com o mercado externo”, explica o sindicalista que pretende encaminhar ofício às autoridades sanitárias e ao próprio Governo de Mato Grosso do Sul e ao Ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Mendes Ribeiro Filho.

Para o sindicalista é preciso se antecipar aos possíveis problemas que o Estado e o País podem atravessar em áreas como esta. “Se o Paraguai está com problemas de aftosa, precisamos tomar todos os cuidados necessários para impedir a entrada de animais doentes para o Brasil e, ao mesmo tempo, temos que pensar em nossos compromissos com o mercado interno e externo”, diz Rinaldo que teme novas demissões caso os frigoríficos não cumpram com seus compromissos de exportação.

40 estão fora – Outra preocupação do presidente do sindicato de trabalhadores é com o fechamento de 40 dos 90 frigoríficos brasileiros que estavam aptos para comercializar com o mercado externo. “Hoje, no Brasil, somente 50 frigoríficos estão trabalhando a todo vapor. Alguns desses que estão fechados estão em Mato Grosso do Sul. Não podemos permitir que industrias com potencial para empregar e gerar divisas fiquem assim, fechados, às moscas”, diz Rinaldo.

O sindicalista informou que essa é uma preocupação constante também da Confederação Nacional dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação e Afins – CNTA Afins, Artur Bueno. “Em Brasília, nossa confederação tem brigado bastante para que esses outros 40 frigoríficos entrem em operação logo. Mesmo que por intermédio de outros proprietários”, ressalta Rinaldo.