Menu
Busca quinta, 24 de setembro de 2020
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
34ºmax
20ºmin
Notícias

LCA vê alta de apenas 0,2% na produção de carne suína neste ano

12 setembro 2013 - 18h37Por Famasul
LCA vê alta de apenas 0,2% na produção de carne suína neste ano
A produção de carne suína no Brasil deve crescer apenas 0,2% neste ano, segundo projeção da LCA Consultores. Em relatório exclusivo ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, a empresa destaca o 'relativo equilíbrio entre a demanda e a oferta, o que implica esperar uma relativa estabilidade da produção.'
 
Quanto a vendas externas, os analistas da LCA acreditam que o Brasil deva responder por 8,6% do comércio mundial de carne suína, resultado similar ao de 2012, quando a fatia do Brasil foi de 9%. Eles justificam que o porcentual só não avançará devido aos embargos impostos neste ano por mercados relevantes, como Rússia, Argentina e Ucrânia, apesar de alguns resolvidos. 'Vale lembrar que em anos sem a ocorrência de embargos a participação nacional chegou a 15% das exportações mundiais', declararam os especialistas no documento.
 
No caso de Rússia, a LCA aguarda avanço nas exportações da proteína brasileira ao país e a reversão do embargo até o final do ano. Para China e Hong Kong, a consultoria projeta aumento de 2,2% nas compras da carne suína brasileira em 2013 ante 2012, considerada 'uma demanda consistente e sem muita volatilidade'. Sobre Ucrânia, por conta do embargo imposto por cerca de três meses, a LCA espera que os embarques ao país caiam 39% na comparação anual. Para Argentina, as vendas da proteína deverão ser 36,9% menores.
 
Custos e preços
 
Os analistas também comentaram que esperam uma redução do custo de produção neste ano ante 2012, em função de uma grande safra mundial de grãos (75% dos custos da suinocultura são provenientes de gastos com alimentação, constituída, basicamente, por milho e farelo de soja).
 
Com relação aos preços pagos aos produtores pelo animal vivo, os consultores da LCA veem avanços médios de 2,2% ao mês no segundo semestre. 'Contudo, cabe ressaltar que as taxas positivas projetadas de agosto (inclusive) até o término de 2013 serão insuficientes para reverter o acumulado negativo apresentado até então. Com efeito, o preço da carne suína pago ao produtor deverá acumular queda de 11,5% em 2013. Essa queda se dará em função dos recuos apresentados no 1º semestre após a queda dos grãos, principais insumos da ração do animal', explicaram os especialistas.