Notícias

Acrissul vê prática de cartel no comércio de vacina contra febre aftosa, que subiu 66%

11 de novembro de 2013

O preço da vacina contra a febre aftosa está 66% mais caro em Mato Grosso do Sul nesta segunda fase da campanha iniciada no dia 1º de novembro deste ano, se comparado ao valor pago na primeira etapa, realizada em maio. Em apenas seis meses, o preço médio da dose passou de R$ 0,90 para R$ 1,50. A pesquisa foi realizada por equipe técnica da Federação da Agricultura e Pecuária de MS (Sistema Famasul) e revela que o custo com a imunização do rebanho vai pesar no bolso do produtor.

 
Como 10,8 milhões de bovinos serão imunizados nesta segunda fase da campanha, segundo a Iagro, o gasto total só com a compra de vacinas é de R$ 16 milhões, aproximadamente.
 
Para a Acrissul (Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul) esta majoração exorbitante parece não ter justificativa. “Aparentemente não há nenhum motivo para que a vacina sofra elevações tão gritantes no preço”, avalia o presidente da entidade, Francisco Maia.
 
Diante disso a Acrissul oficiou a Iagro-MS e o Cade. Para ambos os órgãos a entidade denunciou a prática de cartel que vem sendo empregada na comercialização a vacina. Segundo a correspondência enviada à agência de vigilância sanitária, o reajuste foi aplicado justamente às portas do início da etapa de vacinação, pegando todo mundo de surpresa. 
 
A Acrissul solicitou que haja uma apuração do reajuste por parte da Iagro, da Seprotur e do próprio Ministério da Agricultura, sendo este último responsável pela autorização dos laboratórios que fabricam o medicamento, para que sejam adotadas medidas para combater o abuso.
 
Para a assessora jurídica da Acrissul, a  advogada Luana Ruiz Silva, por enquanto o que se está fazendo é uma investigação do que levou à alta repentina do preço da vacina. “Precisamos apurar de quem é a culpa, se dos laboratórios, se do Ministério da Agricultura, se do Governo do Estado ou do próprio comércio local”, avalia a jurista.
 
Segundo ela, o fato é que a vacinação é obrigatória em Mato Grosso do Sul, uma necessidade para garantir além da sanidade do rebanho, o status sanitário que permite condições para que o Estado opere no mercado externo de acordo com as normas internacionais exigidas. “Mas o aumento realmente é preocupante. Se constatarmos que houve irregularidade no reajuste tomaremos as medidas judiciais cabíveis”, alerta.
 
Segundo as informações da Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal (Iagro), Mato Grosso do Sul deverá imunizar 10,8 milhões de bovinos nesta segunda fase da campanha. De acordo com a Iagro, na região do Planalto o produtor deve vacinar os animais entre 0 e 24 meses, já na região da fronteira todo o rebanho deve ser vacinado até o dia 30 de novembro. No pantanal, a vacinação deve abranger todo o rebanho dos produtores optantes pela etapa novembro, cujo prazo final na região é dia 15 de dezembro.
 

Fonte: Boletim Acrissul em Ação | Novembro | Jornal Folha do Fazendeiro
Voltar Imprimir
Deixar um comentário
Nome
Comentário
 

Notícias recentes

Meteorologia prevê calor acima dos 40°C para esta quinta-feira no Estado 19 de setembro de 2019 A influência de ventos do quadrante sul, provocou nebulosidade e leve queda nas temperaturas em grande parte de Mato Grosso do Sul nesta quarta-feira...
ILPF puxa produtividade pecuária e achata produtor menos tecnificado 19 de setembro de 2019 Os elevados índices de produtividade da pecuária em sistema de integração com lavoura e floresta, a ILPF, tendem a elevar a competitividade do set...
Pastos com menor capacidade de suporte geram lentidão no mercado de reposição 19 de setembro de 2019 A demanda está fria no mercado de reposição, o que justifica a lenta movimentação desta semana. Além da qualidade fraca dos pastos, os comprador...
Grupo de trabalho inicia atividades do Observatório da Agropecuária 19 de setembro de 2019 O grupo de trabalho criado para identificar os sistemas e bases de informações que vão fazer parte do Observatório da Agropecuária Brasileira ini...
Confinamento deve crescer para até 5,5 milhões de cabeças 19 de setembro de 2019 O Brasil deve confinar este ano entre 5,3 milhões e 5,5 milhões de bovinos, aumento de 4,5% a 8,5% ante 5,07 milhões de animais engordados no cocho...
Preço do boi gordo sobe em quatro praças 19 de setembro de 2019 Na última terça-feira (17/9), os preços do boi gordo subiram no Norte de Minas Gerais, na região de Três Lagoas-MS, no Oeste do Maranhão e no Su...
Kuwait abre mercado para mel do Brasil 19 de setembro de 2019 A ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) anunciou nesta quarta-feira (18) a abertura do mercado do Kuwait para o mel do Bra...