Notícias

STF suspende registro de terras indígenas no MT

11 de novembro de 2013
Decisão do ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendeu o registro em cartório imobiliário da área demarcada como terra indígena Kayabi no Decreto Presidencial de 24 de abril de 2013. A antecipação de tutela, a ser referendada pelo plenário, foi deferida na Ação Cível Originária (ACO) 2224, de autoria do Estado de Mato Grosso, e obsta a transferência definitiva da propriedade até o julgamento final da questão.
 
– A leitura detida das razões apresentadas (pelo Estado de Mato Grosso) revela a presença dos requisitos da fumaça do bom direito e do perigo da demora – afirma Luiz Fux.
 
O político também explica que o principal fundamento do estado é o de que as terras objeto da demarcação não eram "tradicionalmente ocupadas" pelos índios Kayabi. Isso porque, segundo o estado, ao tempo da promulgação da Constituição de 1988, marco temporal fixado pelo constituinte para se reconhecer aos indígenas o direito às terras que habitam, os índios da etnia Kayabi já não mais ocupavam as terras objeto da ampliação da demarcação.
 
Segundo o ministro Fux, a pretensão do estado, em uma análise preliminar, encontra “amparo” na decisão tomada pelo Supremo quando do julgamento da demarcação da reserva indígena Raposa Serra do Sol (PET 3388).
 
– No aludido precedente, restou assentado que as terras tradicionalmente indígenas seriam, somente, aquelas efetivamente habitadas por grupos indígenas na data da promulgação da Constituição Federal de 1988. Ausente esse requisito fundamental ao reconhecimento, em favor dos indígenas, do direito às referidas terras, surge como contrária à Carta Magna a ampliação de reserva já demarcada – afirma o ministro.
 
O ministro acrescenta que o registro em cartório da demarcação das terras e, consequentemente, a transferência da propriedade configura o “perigo na demora” da decisão, uma vez que isso “poderá gerar sérios atritos entre a comunidade indígena e aqueles que adquiriram as terras demarcadas de boa-fé”.
 
Câmara de Conciliação
Ao avaliar que havia possibilidade conciliação no caso, o ministro havia determinado o envio do processo para a Câmara de Conciliação e Arbitragem da Administração Federal no âmbito da Advocacia-Geral da União (CCAF/AGU) em setembro deste ano. Mas diante da resposta da União requerendo o prosseguimento do processo no supremo, ele proferiu a decisão liminar.

Fonte: Rural BR e STF
Voltar Imprimir
Deixar um comentário
Nome
Comentário
 

Notícias recentes

Quarta-feira será de tempo nublado e calor de 36°C em Mato Grosso do Sul 22 de janeiro de 2020 O tempo segue instável nesta quarta-feira (22.01) em Mato Grosso do Sul. A previsão do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) é de céu nublado...
Viés de baixa no mercado do boi gordo 22 de janeiro de 2020 Levantamento da Scot Consultoria, em São Paulo, aponta que a cotação do boi gordo ficou estável na última segunda-feira (20/1), na comparação c...
Carne bovina: queda no varejo em São Paulo e altas em Minas Gerais e Rio de Janeiro 22 de janeiro de 2020 De todos os estados pesquisados pela Scot Consultoria, somente em São Paulo houve queda nos preços da carne bovina nos últimos sete dias. Na compar...
Publicado zoneamento da soja para estados do Norte e Nordeste 22 de janeiro de 2020 Foram publicadas no Diário Oficial da União dessa segunda-feira (20) as portarias com o Zoneamento Agrícola de Risco Climático (Zarc), ano-safra 2...
Após 35 meses, cotação do couro volta a subir 22 de janeiro de 2020 A alta do dólar (em relação ao real) colaborou com o aumento do volume para exportação. Nas primeiras duas semanas de 2020, segundo a Secretaria ...
Na Índia, ministra busca ampliar e diversificar comércio e cooperação com país asiático 22 de janeiro de 2020 A ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) inicia nesta quarta-feira (22) a agenda de compromissos na Índia com objetivo de ...
Abiove questiona reajuste de 9% no preço de frete mínimo para transporte de grãos 22 de janeiro de 2020 A Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) diz que não há argumentos técnicos para o reajuste de 9% no preço mínimo do...