Notícias

Nordeste pode ser maior exportador de animais vivos

30 de outubro de 2013
A conquista do status de livre aftosa com vacinação pode tornar a Região Nordeste a maior exportadora de gado vivo para abate nos países de destino. A previsão é do diretor do Departamento de Saúde Animal do Ministério da Agricultura, Guilherme Marques, que aposta no potencial da região para explorar o novo nicho de mercado e ultrapassar o Pará, que responde por mais de 90% das vendas externas de animais vivos. 
 
Marques afirmou que há duas semanas o Ministério da Agricultura deu mais um passo para o reconhecimento internacional da Região Nordeste como livre de aftosa com vacinação ao encaminhar um relatório para a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). 
 
Ele explicou que o pleito do governo brasileiro será analisado por um grupo de especialistas e caso receba parecer favorável será apreciado pelo comitê científico da OIE. Após o comitê aprovar o pleito, o passo seguinte será consultar os 178 países membros da OIE, que terão dois meses para se manifestar 
sobre o assunto. Se todas estas etapas forem superadas, a Assembleia Geral dos Delegados da OIE, em maio do próximo ano, dará o reconhecimento internacional da Região Nordeste e norte do Pará como livre da aftosa com vacinação.
 
O diretor acredita que o reconhecimento internacional permitirá a venda de animais vivos, tanto para abate imediato quanto para engorda e reprodução, para mercados como Venezuela, Egito, Líbano e Turquia. Uma das vantagens da região é a possibilidade de embarques por via marítima para esses países com redução dos gastos com frete. Segundo ele, um navio leva de 20 a 30 mil animais "meio sangue e meio gordos" que terão sua terminação na embarcação, já que passam cerca de um mês até chegarem ao destino. "Esses navios se parecem com fábricas de ração, a fim de que os animais desembarquem gordos. O preço desses animais é alto quando comparado aos dos animais de abate na região nordestina", afirmou. 
 
Marques disse que o governo tem condições de aprovar novos estabelecimentos para embarque de animais vivos, pois existe uma legislação que estabelece as diretrizes a serem cumpridas. Ele salienta que os animais ficam em situação de quarentena nestes estabelecimentos, onde é realizada uma bateria de exames conforme a exigência do importador. Após o período de quarentena, será permitido o embarque. "Sendo a zona reconhecida internacionalmente como livre de aftosa a partir de maio de 2014, só será necessário existir empresários interessados e ter oferta de matéria prima", afirmou o diretor.

Fonte: O Estado de S. Paulo
Voltar Imprimir
Deixar um comentário
Nome
Comentário
 

Notícias recentes

Mosca branca eleva em até 35% o gasto com inseticida na soja 28 de junho de 2016 Na safra 2015/16, além das preocupações com controle de lagartas e percevejos, produtores de soja de Mato Grosso e de Goiás enfrentaram também o ...
Participe do III Congresso Brasileiro de Angus e esteja ao lado de quem mais entende de Angus no mun 28 de junho de 2016 O Brasil é hoje um dos berços da genética Angus mundial. Ao ano, são consumidas 4 milhões de doses de sêmen e ofertados ao mercado 3 milhões ...
Melhora na competitividade da carne bovina frente à de frango 28 de junho de 2016 O cenário econômico do país, a descapitalização da população e a alta taxa de desemprego colaboraram para o menor poder de compra do consumidor...
3ª edição da Feira do Agronegócio da região norte acontece entre 7 e 9 de julho em Coxim 28 de junho de 2016 Entre os dias 7 e 9 de julho o sindicato rural de Coxim promove pelo terceiro ano consecutivo a Feira do Agronegócio da Região Norte, com objetivo d...
Carnes brasileiras ganham mais espaço no mercado chinês 27 de junho de 2016 Principal importadora da soja brasileira, a China vem abrindo cada vez mais espaço para proteínas animais do Brasil. Em 2016, o país asiático é o...
Sem Reino Unido na UE, Brasil perde 'fiador' de acordo de livre comércio entre bloco e Mercosul 27 de junho de 2016 Em um encontro realizado há alguns meses em Londres, representantes do governo brasileiro foram interpelados por membros da Confederação de Indúst...
Maggi diz que taxação do agronegócio em reforma da Previdência é 'loucura' 27 de junho de 2016 O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, classificou como "uma loucura" e um "abraço de afogado" a ideia estudada pelo governo fe...