Notícias

Nordeste pode ser maior exportador de animais vivos

30 de outubro de 2013
A conquista do status de livre aftosa com vacinação pode tornar a Região Nordeste a maior exportadora de gado vivo para abate nos países de destino. A previsão é do diretor do Departamento de Saúde Animal do Ministério da Agricultura, Guilherme Marques, que aposta no potencial da região para explorar o novo nicho de mercado e ultrapassar o Pará, que responde por mais de 90% das vendas externas de animais vivos. 
 
Marques afirmou que há duas semanas o Ministério da Agricultura deu mais um passo para o reconhecimento internacional da Região Nordeste como livre de aftosa com vacinação ao encaminhar um relatório para a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). 
 
Ele explicou que o pleito do governo brasileiro será analisado por um grupo de especialistas e caso receba parecer favorável será apreciado pelo comitê científico da OIE. Após o comitê aprovar o pleito, o passo seguinte será consultar os 178 países membros da OIE, que terão dois meses para se manifestar 
sobre o assunto. Se todas estas etapas forem superadas, a Assembleia Geral dos Delegados da OIE, em maio do próximo ano, dará o reconhecimento internacional da Região Nordeste e norte do Pará como livre da aftosa com vacinação.
 
O diretor acredita que o reconhecimento internacional permitirá a venda de animais vivos, tanto para abate imediato quanto para engorda e reprodução, para mercados como Venezuela, Egito, Líbano e Turquia. Uma das vantagens da região é a possibilidade de embarques por via marítima para esses países com redução dos gastos com frete. Segundo ele, um navio leva de 20 a 30 mil animais "meio sangue e meio gordos" que terão sua terminação na embarcação, já que passam cerca de um mês até chegarem ao destino. "Esses navios se parecem com fábricas de ração, a fim de que os animais desembarquem gordos. O preço desses animais é alto quando comparado aos dos animais de abate na região nordestina", afirmou. 
 
Marques disse que o governo tem condições de aprovar novos estabelecimentos para embarque de animais vivos, pois existe uma legislação que estabelece as diretrizes a serem cumpridas. Ele salienta que os animais ficam em situação de quarentena nestes estabelecimentos, onde é realizada uma bateria de exames conforme a exigência do importador. Após o período de quarentena, será permitido o embarque. "Sendo a zona reconhecida internacionalmente como livre de aftosa a partir de maio de 2014, só será necessário existir empresários interessados e ter oferta de matéria prima", afirmou o diretor.

Fonte: O Estado de S. Paulo
Voltar Imprimir
Deixar um comentário
Nome
Comentário
 

Notícias recentes

Rússia está preocupada com aumento de preços da carne brasileira 22 de outubro de 2014 O órgão de inspeção veterinária da Rússia, Rosselkhoznadzor, está preocupado com o forte amento nos preços da produção pecuária fornecida p...
Confinamento de bois deverá crescer no país 22 de outubro de 2014 Depois da onda de fusões e aquisições deflagrada em 2007 no setor frigorífico, a cadeia produtiva da carne bovina no Brasil deve passar por novas ...
Abiec renova convênio com a Apex-Brasil para fomentar exportações de carne bovina 22 de outubro de 2014 A Abiec e a Apex-Brasil assinaram hoje a renovação do convênio do Projeto Setorial BrazilianBeef. A assinatura aconteceu durante a SIAL (Salon Inte...
Mongólia busca aumentar exportações de carne à Rússia 22 de outubro de 2014 A Mongólia está pronta para aumentar em 10 vezes as exportações de carne bovina à Rússia, após acordos preliminares recentes alcançados durant...
BPA: cursos visam melhorar condições de trabalho em fazendas 21 de outubro de 2014 Desde agosto deste ano, a Associação Sul-mato-grossense dos Produtores de Novilho Precoce, parceira da Embrapa no BPA (Programa Boas Prát...
Nova versão do aplicativo Suplementa Certo já está disponível 21 de outubro de 2014 O aplicativo Suplementa Certo, desenvolvido pela Embrapa Gado de Corte em parceria com a Facom (Faculdade de Computação) da UFMS ...
ABQM homenageia o ‘Cavaleiro das Américas’ durante o 35º Potro do Futuro 21 de outubro de 2014 Um sonho de criança concretizado em 803 dias de cavalgada, por um jovem de 25 anos que o fez conhecido como o ‘Cavaleiro das Américas’. ...