Notícias

Produção de leite em Minas Gerais sofre perdas devido à estiagem

24 de outubro de 2012

 Em Minas Gerais, os produtores de leite aguardam o fim da seca que se intensificou no último mês. Muitos produtores ficaram sem silagem e a pastagem secou. Com isso, a produção caiu e os custos aumentaram, mas os preços estão estáveis. Para fazer o cálculo de quanto vai receber por litro, o produtor precisa fazer uma equação que leva em conta o tamanho da produção, a qualidade e a sanidade do leite que sai da fazenda. 

Maior bacia leiteira do país, a região do Triângulo Mineiro sofreu com a seca intensificada nas últimas semanas. Devido ao clima e à alta nos custos de produção, a captação de leite ficou reduzida em 5%.

– O preço das commodities está em alta e isso fez com que o custo de produção aumentasse muito. Estamos em um período de seca, desfavorável para a produção, e ainda temos um diferencial de mercado, que não tem acompanhado os níveis de consumo do mesmo período do ano passado, por exemplo – explica Cenyldes Moura Vieira, presidente da Cooperativa Agropecuária Ltda. de Uberlândia (Calu).

A Calu está recebendo 140 mil litros por dia. O preço pago aos pecuaristas por litro está na média de R$ 0,88, mas existe uma variação que vai de R$ 0,78 a R$ 1,03.
A eficiência do laticínio, a exigência do consumidor e as regras instituídas pelo Governo Federal criaram uma certa complexidade para o cálculo final do preço pago ao produtor. Quando se refere à quantidade, por exemplo, a cooperativa paga R$ 0,01 a mais para cada 100 litros de leite. 

Vieira explica ainda que a quantidade de leite influencia no custo do frete, já que muitas vezes os caminhões tanque precisam rodar mais para completar a carga. Por isso, a diferença dos preços entre as propriedades varia de acordo com o volume da produção.

– Se captamos mil litros de leite em uma única propriedade ou mil litros em 20 propriedades diferentes, temos um custo na chegada do caminhão na indústria, temos 20 análises diferentes realizadas diariamente e 20 folhas de pagamento a mais para rodar no nosso departamento de contabilidade. Então tudo isso impacta neste custo final do preço pago ao produtor. 

Em relação à qualidade, a cooperativa distribui R$ 0,10 de bônus, levando em conta a contagem de células somáticas até 600 mil por mililitro. Isso tem a ver com a sanidade das vacas e com a contagem bacteriana total (CBT), que não pode passar de 600 unidades. Com relação aos chamados sólidos, o leite é bonificado quando apresentar entre 3% e 3,3% de proteínas e entre 3,3% e 3,9% de gordura. 

Em sua propriedade, os irmãos Adriano e André Pereira têm 30 vacas em lactação. A silagem acabou antes do final da seca e eles estão usando cana-de-açúcar para complementar a alimentação. Por isso, a produção caiu de 300 para 230 litros por dia. Adriano faz o cálculo do que recebe e do custo, que não para de crescer.

– O litro de leite aqui está saindo a R$ 0,81. Daí, descontamos a parte da cooperativa, a parte de ICMS e a parte de transporte. No nosso caso, o litro de leite sai a R$ 0,77 o litro, mas ainda precisamos comprar o concentrado, a parte de sal mineral e os medicamentos. Sobra pouco. Na verdade, sobra quase nada – conta Adriano.

É por isso que produtores como Clistenes Procópio chamam seu trabalho de “a mágica de produzir leite”.

– Na dieta dos animais entra farelo de soja, milho, núcleo e megaláctea. O custo dessa ração aumentou muito esse ano por conta do farelo de soja, que subiu entre 60% e 70%, passando de R$ 600 para R$ 1.390 – explica o pecuarista.

Procópio tem 130 vacas em lactação. Produzindo 3 mil litros por dia, com quantidade e qualidade, ele consegue R$ 0,97 pelo litro. A seca obrigou o produtor a trabalhar com  confinamento total e o custo aumentou 13%. Mesmo com a margem apertada de lucro – cerca de R$ 0,04 –, o pecuarista está investindo para crescer em rebanho e produtividade, apostando em preços melhores a médio e longo prazo e atendendo a realidade do exigente mercado do leite. 

– O laticínio hoje exige muita qualidade, que é o sólido do leite – proteína, gordura, CCS e CBT. Se conseguir unir tudo isso e tiver uma longevidade no gado, acho que é possível ser um produtor de sucesso – afirma Procópio.


Fonte: CANAL RURAL
Voltar Imprimir
Deixar um comentário
Nome
Comentário
 

Notícias recentes

Japão vai inspecionar frigoríficos brasileiros de carne bovina em agosto 06 de julho de 2015 O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento avançou mais uma etapa no processo de abertura do mercado japonês à carne bovina termoproce...
Balança comercial tem superávit de US$ 636 milhões na primeira semana de julho 06 de julho de 2015 A balança comercial da primeira semana de julho de 2015, com três dias úteis, registrou superávit de US$ 636 milhões. Esse valor foi resultado de...
Audiência expõe temor de novos conflitos e omissão do governo federal 06 de julho de 2015 O receio de que os conflitos entre indígenas e produtores se intensifiquem no Mato Grosso do Sul motivou uma nova audiência pública a respeito do a...
Deputados marcam audiência pública para o dia 6 e vão debater conflito agrário 03 de julho de 2015 Deputados estaduais e federais de Mato Grosso do Sul estão buscando agendar uma audiência com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, em uma ...
Com fechamento de 15 frigoríficos em MS, audiência debaterá setor no dia 10 de julho 03 de julho de 2015 Dia 10 de julho, às 8h, será realizada uma audiência pública na Assembleia Legislativa para debater os problemas do setor da carne bovina em Mato ...
BB disponibiliza R$ 4,4 bilhões para safra 2015-16 de Mato Grosso do Sul 01 de julho de 2015 Nesta quarta-feira (1º) foi anunciada pelo superintendente Estadual do Banco do Brasil, Evaldo Emiliano de Souza, a liberação de R$ 4,4 bilhõe...
Setor frigorífico se reúne na Assembleia nesta 4ª para falar de monopólio da JBS 01 de julho de 2015 Para debater sobre a crise que afeta o setor frigorífico de Mato Grosso do Sul, foi agendada reunião com representantes de frigoríficos do Estado, ...


Foto: Nauro Júnior
Além dos problemas com a falta de chuva, produtores mineiros precisam lidar com uma série de fatores que influenciam no preço do litro de leite