Notícias

Produção de leite em Minas Gerais sofre perdas devido à estiagem

24 de outubro de 2012

 Em Minas Gerais, os produtores de leite aguardam o fim da seca que se intensificou no último mês. Muitos produtores ficaram sem silagem e a pastagem secou. Com isso, a produção caiu e os custos aumentaram, mas os preços estão estáveis. Para fazer o cálculo de quanto vai receber por litro, o produtor precisa fazer uma equação que leva em conta o tamanho da produção, a qualidade e a sanidade do leite que sai da fazenda. 

Maior bacia leiteira do país, a região do Triângulo Mineiro sofreu com a seca intensificada nas últimas semanas. Devido ao clima e à alta nos custos de produção, a captação de leite ficou reduzida em 5%.

– O preço das commodities está em alta e isso fez com que o custo de produção aumentasse muito. Estamos em um período de seca, desfavorável para a produção, e ainda temos um diferencial de mercado, que não tem acompanhado os níveis de consumo do mesmo período do ano passado, por exemplo – explica Cenyldes Moura Vieira, presidente da Cooperativa Agropecuária Ltda. de Uberlândia (Calu).

A Calu está recebendo 140 mil litros por dia. O preço pago aos pecuaristas por litro está na média de R$ 0,88, mas existe uma variação que vai de R$ 0,78 a R$ 1,03.
A eficiência do laticínio, a exigência do consumidor e as regras instituídas pelo Governo Federal criaram uma certa complexidade para o cálculo final do preço pago ao produtor. Quando se refere à quantidade, por exemplo, a cooperativa paga R$ 0,01 a mais para cada 100 litros de leite. 

Vieira explica ainda que a quantidade de leite influencia no custo do frete, já que muitas vezes os caminhões tanque precisam rodar mais para completar a carga. Por isso, a diferença dos preços entre as propriedades varia de acordo com o volume da produção.

– Se captamos mil litros de leite em uma única propriedade ou mil litros em 20 propriedades diferentes, temos um custo na chegada do caminhão na indústria, temos 20 análises diferentes realizadas diariamente e 20 folhas de pagamento a mais para rodar no nosso departamento de contabilidade. Então tudo isso impacta neste custo final do preço pago ao produtor. 

Em relação à qualidade, a cooperativa distribui R$ 0,10 de bônus, levando em conta a contagem de células somáticas até 600 mil por mililitro. Isso tem a ver com a sanidade das vacas e com a contagem bacteriana total (CBT), que não pode passar de 600 unidades. Com relação aos chamados sólidos, o leite é bonificado quando apresentar entre 3% e 3,3% de proteínas e entre 3,3% e 3,9% de gordura. 

Em sua propriedade, os irmãos Adriano e André Pereira têm 30 vacas em lactação. A silagem acabou antes do final da seca e eles estão usando cana-de-açúcar para complementar a alimentação. Por isso, a produção caiu de 300 para 230 litros por dia. Adriano faz o cálculo do que recebe e do custo, que não para de crescer.

– O litro de leite aqui está saindo a R$ 0,81. Daí, descontamos a parte da cooperativa, a parte de ICMS e a parte de transporte. No nosso caso, o litro de leite sai a R$ 0,77 o litro, mas ainda precisamos comprar o concentrado, a parte de sal mineral e os medicamentos. Sobra pouco. Na verdade, sobra quase nada – conta Adriano.

É por isso que produtores como Clistenes Procópio chamam seu trabalho de “a mágica de produzir leite”.

– Na dieta dos animais entra farelo de soja, milho, núcleo e megaláctea. O custo dessa ração aumentou muito esse ano por conta do farelo de soja, que subiu entre 60% e 70%, passando de R$ 600 para R$ 1.390 – explica o pecuarista.

Procópio tem 130 vacas em lactação. Produzindo 3 mil litros por dia, com quantidade e qualidade, ele consegue R$ 0,97 pelo litro. A seca obrigou o produtor a trabalhar com  confinamento total e o custo aumentou 13%. Mesmo com a margem apertada de lucro – cerca de R$ 0,04 –, o pecuarista está investindo para crescer em rebanho e produtividade, apostando em preços melhores a médio e longo prazo e atendendo a realidade do exigente mercado do leite. 

– O laticínio hoje exige muita qualidade, que é o sólido do leite – proteína, gordura, CCS e CBT. Se conseguir unir tudo isso e tiver uma longevidade no gado, acho que é possível ser um produtor de sucesso – afirma Procópio.


Fonte: CANAL RURAL
Voltar Imprimir
Deixar um comentário
Nome
Comentário
 

Notícias recentes

Preços dos alimentos contribuíram para a queda da inflação 18 de dezembro de 2017 O comportamento dos preços dos alimentos mais uma vez contribuiu para conter a inflação, que está estimada em 2,88%, no fechamento do ano, segundo...
Mercado de reposição: aquecido de um lado, travado de outro 18 de dezembro de 2017 Por um lado, há regiões com mercado travado, com poucas negociações. Isso porque as chuvas ainda não foram suficientes para a melhoria das pastag...
Mercado do boi gordo segue firme 18 de dezembro de 2017 Algumas indústrias, as que estão com escalas de abate mais confortáveis, aproveitam o momento e testam o mercado, ofertando preços abaixo da refer...
Núcleo de Criadores de Girolando MS homenageiam Jonatan Barbosa com troféu 14 de dezembro de 2017 O presidente da Acrissul (Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul), Jonatan Pereira Barbosa, recebeu hoje das mãos de diretores do Núcleo d...
Morre Bacana da MN, destaque da bateria Nelore da CRV Lagoa 14 de dezembro de 2017 Mais um grande touro deixa o cenário pecuário em 2017. No dia 9 de dezembro morreu C8288 da MN, também conhecido como Bacana da MN. O reprodutor, q...
Categorias mais eradas movimentam o mercado de reposição de bovinos 14 de dezembro de 2017 Com as pastagens em plena recuperação, os invernistas buscam animais de categorias mais eradas para serem terminados no período das águas, realiza...
Mercado do boi gordo firme; arroba cai em Campo Grande 14 de dezembro de 2017 Com exceção das praças pecuárias de Campo Grande-MS, Norte do Tocantins e Sudeste de Rondônia, onde a cotação da arroba do boi gordo caiu na ú...


Foto: Nauro Júnior
Além dos problemas com a falta de chuva, produtores mineiros precisam lidar com uma série de fatores que influenciam no preço do litro de leite