Notícias

CNA divulga relatório com impacto do coronavírus em cada setor do agro brasileiro

30 de março de 2020

 A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) divulgou neste sábado um relatório sobre os impactos do coronavírus no agronegócio. A análise foi feita considerando o período entre segunda (23/3) e sexta-feira (27/3).

 
Os dados são levantados por um grupo de monitoramento da crise criado pela CNA. A equipe também tem tirado dúvidas dos produtores via WhatsApp, pelo número (61) 93300 7278. Veja, a seguir, os principais pontos do relatório:

Commodities
Soja, milho e café tiveram valorização na semana, influenciados pela demanda aquecida, estoques baixos e manutenção do câmbio alto. No setor sucroenergético, os preços do etanol se mantiveram estáveis, mas com tendência de baixa diante das perspectivas de queda no consumo e início da safra.
 
Até o momento, segundo a CNA, os problemas têm sido, principalmente, o escoamento da produção e o fechamento de lojas e revendas que fazem reposição de peças e equipamentos para máquinas agrícolas.
 
A colheita de café e cana-de-açúcar começa em breve, e os setores já estão adotando medidas preventivas, como redução de trabalhadores transportados nos ônibus, ampliação dos horários de funcionamento dos refeitórios e orientações sobre higienização.
 
Frutas e hortaliças
Exportadores de frutas relatam uma suspensão drástica das exportações por via aérea. No Brasil, o fechamento de restaurantes, bares e feiras livres reduziu significativamente a demanda por hortaliças. Nos principais centros consumidores, o preço do tomate caiu, em média, 37% em relação à semana passada.
 
Flores e plantas ornamentais
O setor, que gera mais de 1 milhão de empregos diretos e indiretos, já perdeu R$ 297,7 milhões em faturamento, segundo o Ibraflor, e pode ter mais perdas caso a quarentena se mantenha.
 
Lácteos
Pequenas indústrias lácteas anunciaram redução na coleta de leite, mas grandes indústrias e cooperativas adotaram a estratégia de remanejar sua produção para UHT e leite em pó. Algumas indústrias do Rio Grande do Sul e Goiás que comercializam produtos lácteos para outros estados apontaram dificuldades com o frete retorno.
 
Boi gordo
Os preços começaram com queda na semana, mas o produtor preferiu segurar o boi no pasto à venda. Com isso, os frigoríficos voltaram a negociar no patamar de R$ 200 por arroba em São Paulo.
 
No final da semana, a quantidade de animais negociados foi a maior dos últimos 10 dias, o que deve alongar as escalas de abates dos frigoríficos e pressionar cotações futuras novamente.
 
Suínos
O abastecimento dos estoques dos supermercados gerou leve queda dos preços no varejo da carcaça suína durante a semana (- 2,7%), mesmo se mantendo em patamares superiores ao período pré-crise. O alto preço do milho e do farelo de soja tem preocupado produtores.
 
Aquicultura
A queda no consumo do food service paralisou as vendas de moluscos em Santa Catarina. No Mato Grosso, houve queda de cerca de 50% nas vendas de tambaqui e cancelamento de cargas que estavam programadas para a Semana Santa.
 
A Ceagesp anunciou que a compra de pescado será realizada apenas nas segundas, quartas e sextas, devendo causar grande impacto na cadeia de pescado fresco, principalmente tilápia.
 
Ovos
Diante da forte demanda, os preços de ovos têm se valorizado diariamente. Em março, o preço pago ao produtor já acumula alta de 15,8%.
 
Ração animal
Uma grande preocupação dos pecuaristas tem sido os custos da ração. Atualmente, a ração base (30% farelo de soja e 70% farelo de milho) está 19% mais cara do que a média de fevereiro.

Fonte: Revista Globo Rural
Voltar Imprimir
Deixar um comentário
Nome
Comentário
 

Notícias recentes

Perspectiva é de preços de soja firmes até o fim do ano, diz Scot Consultoria 04 de junho de 2020 Embora a soja tenha caído de preços nas últimas semanas, a perspectiva ao longo do ano no Brasil ainda é de preços firmes para a oleaginosa, diss...
Brasil bate recorde com exportações de carne bovina em maio 04 de junho de 2020 As exportações brasileiras de carne bovina vão de vento em popa. Nesse caso específico, apesar da pandemia do coronavírus. Segundo dados da Secre...
Efeito da covid-19 sobre o mercado de trabalho agropecuário se acentua em abril 04 de junho de 2020 Neste segundo relatório de acompanhamento mensal da mão de obra na agropecuária, utilizando informações da Pesquisa Nacional por Amostra de Domic...
Agropecuária é único setor da economia com crescimento na pandemia, diz IBGE 04 de junho de 2020 A agropecuária apresentou crescimento de 0,6% no primeiro trimestre de 2020 em comparação ao quarto trimestre de 2019, conforme dados divulgados ne...
Boi/Cepea: média mensal da arroba é a terceira maior da série 04 de junho de 2020 As exportações brasileiras em volumes recordes e a baixa oferta doméstica de animais prontos para o abate continuam sustentando os preços da arrob...
MS está em alerta para chuvas intensas e ventos de até 60 km/h 04 de junho de 2020 O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) emitiu aviso de chuvas intensas para 25 municípios sul-mato-grossenses no decorrer desta quinta-feira (4...
Milho: preços mais frouxos com o início da colheita da segunda safra 04 de junho de 2020 Desde o final de maio, com o início da colheita no país, queda do dólar e nenhuma mudança do lado do consumo doméstico, os preços do cereal cede...


Foto: Reprodução