Notícias

Instrução Normativa estabelece regras para destinação de resíduos da pecuária

21 de outubro de 2019

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento publicou nesta sexta-feira (18), no Diário Oficial da União, a Instrução Normativa 48/2019, que estabelece as regras sobre o recolhimento, transporte, processamento e destinação de animais mortos e resíduos da produção pecuária como alternativa para a sua eliminação nos estabelecimentos rurais. A IN estabelece regras que possibilitam a utilização de rotas tecnológicas para o os resíduos da produção pecuária de forma sanitariamente segura, alternativas às práticas até então adotadas.

De acordo com a Instrução Normativa, para destinar animais mortos e resíduos da produção pecuária para unidade de recebimento, de transformação ou de eliminação, o estabelecimento rural deve possuir cadastro atualizado junto ao Serviço Veterinário Oficial e dispor de um local exclusivo para o recolhimento, que deverá estar fora das áreas utilizadas para o manejo da exploração pecuária e afastado das demais instalações do estabelecimento rural.
 
Os veículos utilizados para o transporte de animais mortos e resíduos da produção pecuária devem ser de uso exclusivo para esta finalidade. Também devem ser vedados e identificados. É obrigatório o porte de Documento de Trânsito de Animais de Produção Mortos (DTAM) durante todo o percurso para o transporte de animais mortos e resíduos da produção pecuária.
 
O Serviço Veterinário Oficial de cada estado deverá estabelecer os controles necessários para a devida aplicação da IN. A elaboração da norma contou com a participação das representações de toda cadeia produtiva de proteína animal e dos diversos órgãos governamentais, para ajustar as regras estabelecidas em consonância com a realidade observada na produção primária do país.
 
Contexto
 
Nos últimos 30 anos, o segmento pecuário brasileiro implementou alterações significativas na criação de animais domésticos que ampliaram a capacidade de produzir produtos de origem animal, atendendo demanda crescente da população mundial.
 
Com isso, montantes significativos de resíduos passaram a ser gerados com a intensificação e concentração da produção por parte dessas cadeias, em curto espaço de tempo, impondo o desafio de encontrar um manejo adequado para mitigar os riscos que representam ao meio ambiente e ao status sanitário dessas cadeias.
 
Práticas até então rotineiramente utilizadas no interior dessas propriedades como o enterrio, a incineração e a compostagem passam a ser insuficientes para equacionar esta questão, ocasionando adversidades aos produtores e ao meio ambiente.

Fonte: Mapa
Voltar Imprimir
Deixar um comentário
Nome
Comentário
 

Notícias recentes

Brasil quer ampliar cooperação internacional para promover bioeconomia 13 de novembro de 2019 O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento está atuando para ampliar a cooperação com agências internacionais para promover ações d...
Projeto de irrigação submersa implantado em Camapuã é o maior do País 13 de novembro de 2019 O Secretário Jaime Verruck recebeu nesta segunda-feira (11) na Semagro, o produtor Sérgio Petrella e seu filho Bruno, proprietários da Fazenda Luzi...
Mapa e FAO vão assinar acordo de cooperação para estimular cadeia produtiva 13 de novembro de 2019 O  Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento firmará acordo de cooperação com a Organização das Nações Unidas para Alimentaç...
Alta do boi continua em 19 praças pecuárias 13 de novembro de 2019 Poucos negócios no mercado do boi gordo na última segunda-feira (11/11). Os compradores esperavam uma definição do mercado. Apesar disso, a cotaç...
Oficina debate prioridades para agenda regulatória da Defesa Agropecuária 13 de novembro de 2019 Integrantes da Secretaria de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e mais de 140 representantes de 12 e...
Viés de alta no mercado de reposição 13 de novembro de 2019 Mercado de reposição firme. A oferta está restrita na maior parte das regiões pesquisadas pela Scot Consultoria. Considerando a média dos machos ...
Mais 13 frigoríficos brasileiros podem exportar carne bovina, suína e de aves para a China 13 de novembro de 2019 Mais 13 plantas frigoríficas brasileiras foram habilitadas para vender carnes à China, conforme comunicado do órgão sanitário chinês (GACC) envi...


Foto: Divulgação
O Serviço Veterinário Oficial de cada estado deverá estabelecer os controles necessários para a devida aplicação da IN