Notícias

Leite/Cepea: Após forte queda nos últimos meses, preço ao produtor reage 2%

03 de outubro de 2019
Depois de acumular queda de 12,1% em julho e agosto, o preço do leite recebido por produtores se valorizou em setembro. De acordo com o levantamento do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), o preço de setembro, referente à captação de agosto, foi de R$ 1,3728/litro na “Média Brasil” líquida , alta de 1,94% (ou de 3 centavos) frente à do mês anterior e de 9,5% em relação à de setembro/18, em termos reais (deflação pelo IPCA de agosto/19).
 
Este movimento atípico de mercado esteve atrelado à oferta limitada de leite no campo, já que a captação de agosto não se elevou conforme o esperado por agentes do setor e a disputa das empresas por matéria-prima se intensificou.
 
É preciso destacar que, no Sudeste e Centro-Oeste, o período seco prejudica a disponibilidade de pastagens, limitando a produção. No Sul, por outro lado, as condições favoráveis de produção elevaram a captação de agosto em 10,9% no Rio Grande do Sul, em 11% em Santa Catarina e em 7,5% no Paraná. Com isso, o ICAP-L (Índice de captação de leite nacional) apresentou alta de 7,7% de julho para agosto/19. Apesar do aumento da captação, o volume de leite não tem sido suficiente para abastecer o mercado doméstico e, consequentemente, laticínios concorrem pela matéria-prima para a ociosidade da empresa.
 
A menor oferta no campo elevou, também, as cotações dos derivados lácteos. No mercado atacadista de São Paulo, o preço médio do leite longa vida em agosto, de R$ 2,53/litro, ficou 7,3% acima do verificado em julho/19. Entretanto, o cenário para setembro mudou e a média mensal deste mês (até o dia 26) caiu para R$ 2,48/litro, redução de 2% frente à de agosto. Segundo colaboradores do Cepea, indústrias reduziram o volume de produção e, agora, operam com níveis de estoques de médio a baixo, no intuito de evitar custos extras, uma vez que os atacadistas pressionam por cotações mais baixas.
 
É importante lembrar que os preços do leite no campo são influenciados pelos mercados de derivados e spot, com certo atraso de um mês nesse repasse de tendência. Os preços ao produtor de outubro, portanto, deverão ser influenciados pelo desempenho dos mercados de derivados e spot de setembro, que, vale observar, registraram quedas de preços na primeira quinzena do mês, pressionados pela expectativa de recuperação na produção, após o retorno das chuvas no Sudeste e Centro-Oeste. Assim, a valorização do preço ao produtor em setembro pode permanecer como um fato atípico e pontual.
 

Fonte: Cepea | Natália Grigol e Juliana Santos
Voltar Imprimir
Deixar um comentário
Nome
Comentário
 

Notícias recentes

Perspectiva é de preços de soja firmes até o fim do ano, diz Scot Consultoria 04 de junho de 2020 Embora a soja tenha caído de preços nas últimas semanas, a perspectiva ao longo do ano no Brasil ainda é de preços firmes para a oleaginosa, diss...
Brasil bate recorde com exportações de carne bovina em maio 04 de junho de 2020 As exportações brasileiras de carne bovina vão de vento em popa. Nesse caso específico, apesar da pandemia do coronavírus. Segundo dados da Secre...
Efeito da covid-19 sobre o mercado de trabalho agropecuário se acentua em abril 04 de junho de 2020 Neste segundo relatório de acompanhamento mensal da mão de obra na agropecuária, utilizando informações da Pesquisa Nacional por Amostra de Domic...
Agropecuária é único setor da economia com crescimento na pandemia, diz IBGE 04 de junho de 2020 A agropecuária apresentou crescimento de 0,6% no primeiro trimestre de 2020 em comparação ao quarto trimestre de 2019, conforme dados divulgados ne...
Boi/Cepea: média mensal da arroba é a terceira maior da série 04 de junho de 2020 As exportações brasileiras em volumes recordes e a baixa oferta doméstica de animais prontos para o abate continuam sustentando os preços da arrob...
MS está em alerta para chuvas intensas e ventos de até 60 km/h 04 de junho de 2020 O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) emitiu aviso de chuvas intensas para 25 municípios sul-mato-grossenses no decorrer desta quinta-feira (4...
Milho: preços mais frouxos com o início da colheita da segunda safra 04 de junho de 2020 Desde o final de maio, com o início da colheita no país, queda do dólar e nenhuma mudança do lado do consumo doméstico, os preços do cereal cede...


Foto: Fonte: Cepea