Notícias

Em terra de boi peixe também come capim

28 de março de 2010

Desconhecido por muitos, o peixe Carpa Capim é um grande aliado no trabalho de produtores rurais e da sociedade de um modo geral. Isso acontece devido ao fato do alevíno se alimentar basicamente de vegetais, contribuindo assim para a limpeza de represas e bebedouros. O trabalho realizado com o peixe é desenvolvido pelo Projeto Isca Viva que também produz outras espécies como Tuvira, Caranguejo, Piaçu e Lambari.

Para o criador do Projeto, Luiz Acorci, são inúmeras as vantagens de adquirir o Carpa Capim. “Além da limpeza de bebedouros e represas, o peixe também pode ser criado para o consumo, já que tem pouca espinha, a carne é magra e ele supera os 25 kg”, revela. Ele acrescenta que a espécie é de fácil cultivo e o filé é de extrema qualidade. O ideal é que seja colocado um peixe para cada 8m² de uma represa, em caso de limpeza do local, porém se o destino for o consumo recomenda-se um para cada 2m² e a capacidade de crescimento dele é de 2 Kg por ano.

“Nós temos toda a estrutura para atender a necessidade de todos que se interessarem pelo Carpa Capim, ou qualquer outro peixe. Já enviamos para vários estados brasileiros e tudo vai despachado em caixas de papelão devidamente oxigenadas, para que não haja problema nenhum na hora da entrega”, explica Luiz.

Projeto Isca Viva

Aproximadamente três milhões de lambaris foram produzidos em 2009, entre eles também são criados caranguejo, Piauçu e Tuvira. Este último está sendo trabalhado para que em 2011, esteja pronto para ser comercializado.

O Projeto Isca Viva tem uma lâmina d´água de seis hectares, sendo 40 tanques de 1500m². Em parceria com a Embrapa Pantanal e Finep (Financiadora de Estudos e Projetos do Ministério da Ciência e Técnologia), o projeto busca desenvolver técnica capaz de estimular a reprodução de Tuvira em cativeiro. Por ser a principal isca viva utilizada no Pantanal, a pesquisa sobre a reprodução da Tuvira possui forte impacto social, visto o grande número de isqueiros que dependem da sua coleta da natureza.

Para saber mais sobre o projeto, ou até mesmo fazer encomendas o escritório está localizado em Campo Grande/MS, na Av. Salgado Filho, 1.065, Bairro Orfeu Baís, e o telefone para contato é: 3325-5896 ou 3382-7695.
 


Fonte: Fábio Sarzi - Via Livre Comunicação
Voltar Imprimir
Deixar um comentário
Nome
Comentário
 

Notícias recentes

Exportações de carne devem crescer em 2017 28 de novembro de 2016 Após frustrar expectativa dos frigoríficos em 2016, as exportações brasileiras de carne bovina devem registrar um melhor desempenho no próximo ...
Virada de mês traz boas expectativas para os preços da arroba do boi 28 de novembro de 2016 Os negócios com a arroba do boi gordo em São Paulo continuam travados, mas a tendência de redução na oferta de animais confinados pode benefici...
Maggi: Brasil será livre de aftosa com vacinação em 2018 28 de novembro de 2016 O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, afirmou em um vídeo divulgado pelo governo federal que o Brasil receberá em maio de 2018 o certificado de...
Preço do milho alcança o menor patamar do ano 28 de novembro de 2016 As cotações do milho seguem em queda e já registram os menores patamares deste ano na maioria das regiões acompanhadas pelo Cepea. A pressão ai...
Fazendo conexão entre o campo e a cidade, premiação do Agrinho reúne mais de 650 pessoas 28 de novembro de 2016 Emoção, alegria e festa. Assim foi a cerimônia de premiação do Agrinho 2016 – programa de maior responsabilidade social do Senar/MS –...
Agrinho 2016: Alunos, educadores e escolas serão premiados na última etapa do programa em MS 24 de novembro de 2016 Depois de um ano de aprendizado, dentro e fora da sala de aula, agora é o momento de coroar o desenvolvimento obtido  com a última etapa do A...
Consumo não melhora e preços da arroba seguem pressionados 24 de novembro de 2016 Mercado parado, poucos negócios e pouco ímpeto dos compradores.O movimento que mais se vê é de baixa, completamente desalinhado ao sazonal para no...