Notícias

GeoPantanal discute desenvolvimento sustentável do bioma

23 de outubro de 2018

Pesquisadores, estudantes e profissionais de diversas regiões do País e da América Latina estão reunidos esta semana em Jardim, no Mato Grosso do Sul (MS) para discutir a aplicação das geotecnologias em estudos de preservação e desenvolvimento sustentável do Pantanal. De 20 a 24 de outubro ocorre o 7º GeoPantanal, encontro voltado à apresentação de pesquisas e estudos técnicos aplicados ao bioma e à região do entorno, situada também na Bolívia e Paraguai.

“As geotecnologias são muito importantes para ajudar no desenvolvimento do estado de Mato Grosso do Sul e do País”, disse a pesquisadora Beatriz Silva, da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), na abertura do 7º Simpósio de Geotecnologias no Pantanal. O diretor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul (IFMS) – campus Jardim, Nilson Oliveira da Silva, destacou o esforço para trazer o evento para o município, lembrando que a região é muito sensível e por isso ampliar o contato com esse conhecimento é fundamental.
 
Entre as principais contribuições do GeoPantanal estão a capacitação de diversos alunos e professores, por meio de cursos e palestras sobre ferramentas úteis para aplicação no bioma, além do fortalecimento da rede de instituições de ensino e pesquisa e do desenvolvimento de pesquisas e tecnologias focadas em ajudar a solucionar problemas da região pantaneira, de acordo com o chefe de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa Informática Agropecuária, Stanley Oliveira.
 
O vice-reitor da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), Laércio Alves de Carvalho, reforçou a presença das principais referências nacionais e internacionais para discutir ciência, tecnologia e inovação em geotecnologias no interior do estado, distante dos grandes centros urbanos, ajudando a fortalecer a rede de desenvolvimento local e regional.
 
Para o coordenador do evento, Laércio Namikawa, pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), o principal objetivo do GeoPantanal sempre foi promover discussões no tema para criar uma rede integrada também pelas instituições locais que atuam na bacia do Alto Rio Paraguai, beneficiando a comunidade acadêmica e a população.
 
Ainda estiveram presentes à cerimônia de abertura o secretário municipal de Desenvolvimento Econômico e Cultura, Olavo Júnior, o coordenador de Economia e Estatística da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Semagro), Daniel Frainer, além de outros representantes de instituições públicas e privadas.
 
O Zoneamento Ecológico Econômico e a distribuição espacial das atividades econômicas em Mato Grosso do Sul (MS) foram apresentados na palestra de abertura do simpósio. O professor Daniel Frainer, da Semagro, mostrou a proposta desse zoneamento para o estado, que integra um conjunto de ações voltadas para alterações do meio ambiente visando à exploração racional dos recursos, melhora da qualidade de vida da população e preservação ambiental.

Capacitação em geotecnologias
 
Com o objetivo de oferecer oportunidade de atualização em ferramentas tecnológicas, foram realizados cinco cursos durante o GeoPantanal, nos campi do IFMS e da UEMS. Cerca de 50 estudantes e professores participaram dos treinamentos ocorridos em 20 e 21 de outubro.
 
O sensoriamento remoto por aeronaves remotamente pilotadas foi um dos temas abordados. O professor Tony Vinicius Moreira Sampaio e o mestrando Otacílio Lopes de Sousa da Paz, da Universidade Federal do Paraná, falaram sobre os principais desafios e potencialidades dessas tecnologias. Eles explicaram quais são os principais softwares usados, recursos técnicos, aspectos legais e regulamentação
 
O curso sobre as geotecnologias aplicadas ao ensino e a práticas escolares procurou conscientizar especialmente professores da rede pública sobre a importância desse conhecimento para atividades educacionais. A professora Naomi Anaue Burda, da Geoeduc, explicou a necessidade de se abordar esse tema, que normalmente não faz parte do conteúdo acadêmico da formação dos educadores.
 
Para ela, o contato com esses instrumentos é fundamental para os profissionais que vão atuar no mercado de trabalho e para os que estão em sala de aula ensinando estudantes que já têm uma vivência com as novas tecnologias.
 
A experiência em geotecnologias aplicadas ao mapeamento, planejamento e agricultura de precisão foi apresentada por Cleber Gonzales de Oliveira, da Embraer/Visiona, Hiran Zani e Thiago Gonçalves Rodrigues. A estudante de Geografia da PUC Minas Camila Stael, ex-estagiária da Embrapa Pantanal (Corumbá, MS) disse que gostou muito do curso e está se envolvendo mais na questão das geotecnologias. O principal interesse é usar as ferramentas para contribuir com a sustentabilidade de processos de produção, ampliando os recursos de inovação tecnológica para ajudar tanto o meio ambiente como o setor produtivo.
 
Outro curso prático tratou dos sistemas TerraHidro e TerraApp, com os pesquisadores Sergio Rosim e Laércio Namikawa, do Inpe. As ferramentas são úteis para o gerenciamento de recursos hídricos e áreas de proteção permanente. A construção de banco de dados com o software livre QGIS e a replicação de informações via web foram o tema do curso ministrado pelos geógrafos Edson Antonio Mengatto Junior, doutorando em Geografia pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e João Luis dos Santos, consultor da Embrapa Informática Agropecuária.
 
O 7º GeoPantanal é organizado pela Embrapa Informática Agropecuária, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS) – Unidade Universitária de Jardim, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) – campus do Pantanal-Corumbá, Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat) – campus Universitário de Cáceres, e Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul (IFMS) – campus Jardim.
 
Conta com apoio e patrocínio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Governo do Estado de Mato Grosso do Sul, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), organização não governamental WWF, Mineração Bodoquena S.A. e Visiona Tecnologia Espacial. Além das instituições organizadoras, o 7º GeoPantanal tem apoio institucional da Revista Ra’Ega, Instituto Geoeduc e Associação de Especialistas Latinoamericanos em Sensoriamento Remoto (Selper).

Fonte: Embrapa
Voltar Imprimir
Deixar um comentário
Nome
Comentário
 

Notícias recentes

MS é o segundo Estado a emitir Certificado de Inspeção Sanitária por meio eletrônico 14 de julho de 2020 A Iagro vem trabalhando na modernização dos seus sistemas e na facilitação do atendimento e na última sexta-feira implantou oficialmente a o Cert...
Arroba segue firme, sustentada pela escassez de boiada 14 de julho de 2020 Os frigoríficos brasileiros bem que tentaram, na semana passada, frear o movimento de alta nos preços do boi gordo, mas essa estratégia parece que ...
Terça-feira de tempo instável e mudanças no clima 14 de julho de 2020 Mato Grosso do Sul terá terça-feira (14.7) de tempo instável e início de mudanças no clima. A previsão do Centro de Monitoramento do Tempo e do ...
Reinaldo Azambuja cobra no Ministério da Agricultura liberação de R$ 70 milhões em emendas 14 de julho de 2020 Para ampliar investimentos na agricultura familiar de Mato Grosso do Sul, o governador Reinaldo Azambuja cobrou no Ministério da Agricultura, Pecuár...
Regulamentação do uso de drones em atividades agropecuárias é colocada em consulta pública 14 de julho de 2020 A Secretaria de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) colocou em consulta pública nesta sexta-feira (1...
Com alta de 24,5%, exportações do agro batem recorde para meses de junho e ultrapassam US$ 10 bilhõe 14 de julho de 2020 As exportações do agronegócio foram recordes para os meses de junho nesse mês de junho de 2020, com registros de vendas externas de US$ 10,17 bilh...
MPT investiga casos de Covid-19 e fragilidade na prevenção em 10 frigoríficos no MT 10 de julho de 2020 Um levantamento do Ministério Público do Trabalho (MPT) junto às cinco maiores empresas frigoríficas do Mato Grosso apontou que pelo menos 10 unid...


Foto: Divulgação
GeoPantanal contribui para fortalecimento da rede de instituições de ensino e pesquisa, destacam autoridades