Notícias

Resolução sobre Funrural adiciona lentidão a mercados de grãos do Brasil

20 de setembro de 2017

A promulgação de uma resolução pelo Senado sobre o Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural (Funrural) está gerando incertezas em importantes mercados de grãos como o do Paraná, paralisando vendas em algumas praças e adicionando lentidão nos negócios do produto brasileiro, segundo integrantes do setor e especialistas.

A resolução suspende, na prática, a cobrança retroativa de débitos bilionários de produtores com o Funrural. Além disso, a cobrança do tributo também fica ineficaz, numa jogada de parlamentares ruralistas para pressionar o governo federal a aceitar mudanças na medida provisória sobre o assunto.

Esta é a segunda vez no ano que questões relativas ao Funrural geram incertezas no setor, num momento em que os produtores estão reticentes em comercializar soja e milho da safra passada devido aos preços pouco interessantes, antes do plantio da nova temporada.

"Neste momento, a gente vem percebendo um perfil do produtor bastante reticente para venda, quer seja por preços mais baixos, quer pela incerteza da tributação. Mas o fato é que o produtor está com comercialização inferior a de exercícios anteriores", disse a analista da corretora paranaense Labhoro, Andrea Cordeiro.

No Brasil, exportador global número 1 de soja, a comercialização da safra 2016/17 envolve 80 por cento da produção projetada do produto, conforme o último levantamento da consultoria Safras & Mercado. Isso significa um atraso de quase dez pontos percentuais ante o ano passado e em relação à média histórica para o período.

"E realmente esta questão do Funrural, assim como a indefinição de preços, acaba por retardar novas vendas...", acrescentou Andrea.

Ao final de março, o Supremo Tribunal Federal (STF) declarou que a cobrança do tributo é constitucional, causando insatisfação de boa parte da classe agrícola.

Uma medida provisória permitindo a renegociação de dívidas do Funrural foi então editada, permitindo parcelamento do débito em até 180 vezes, com descontos de multas e juros. A MP também havia estabelecido alíquota cheia do tributo de pouco mais de 1 por cento.

Mas, enquanto corria o prazo de adesão ao programa, até 29 de setembro, veio a resolução do Senado, de autoria da senadora ruralista Kátia Abreu (PMDB-TO), que na prática suspendeu a eficácia da lei declarada constitucional pelo STF.

Isso despertou novas dúvidas dos agentes que realizam negócios com grãos, se a resolução de alguma forma impacta a validade da MP no que diz respeito à cobrança do Funrural.

"Se tem a proposta da Kátia Abreu, alguns agentes dizem: 'não vou vender para quem está descontando o Funrural'. Enquanto os adquirentes (cooperativas, tradings, indústrias, etc) estão querendo descontar para seguir a MP. Um quer que valha a resolução, o outro a MP...", disse o gerente técnico e econômico da Ocepar, Flávio Turra.

De acordo com o Turra, o impasse no mercado do Paraná, segundo produtor nacional de grãos do Brasil, ocorre no momento em que ainda há 25 por cento da soja da safra passada para ser comercializada e 65 por cento da colheita de milho de inverno.

Suspensão de efeitos

Segundo a advogada Valdirene Franhani, sócia do escritório Braga & Moreno, Consultores Jurídicos e Advogados, a resolução do Senado suspende a cobrança do Funrural a partir da sua publicação, a partir de 13 de setembro.

"Embora a resolução não suspenda os efeitos da Lei 10.256/01, que também alterou a Lei 8.212/91, julgada constitucional pelo STF em março deste ano no julgamento..., ela acabou, por via indireta, neutralizando a decisão do STF, enquanto não votada a MP 793/17", disse Valdirene.

Segundo a advogada, ao suspender outros dispositivos da lei, acaba deixando a cobrança sem base legal de alíquota, impedindo assim a sua cobrança.

"Vale lembrar, pela redação da MP (que aguarda votação), a alíquota passaria para 1,2 por cento somente no ano que vem. Logo, do jeito que está hoje, a partir de 13 de setembro até o final do ano, não há alíquota eficaz para possibilitar sua cobrança", disse a advogada.

A especialista disse que a resolução vai valer até que uma nova lei seja sancionada. "É uma forma de pressionar a votação da MP para que se tenha um novo Funrural, é a força política do Senado."

Ela lembrou que a última vez em que o Senado suspendeu a eficácia de uma lei em matéria tributária, por meio de uma resolução, foi há 22 anos.

A Advocacia-Geral da União (AGU) já manifestou intenção de recorrer ao STF para contestar a resolução, mas ainda não o fez, enquanto o Ministério da Fazenda busca uma solução negociada com senadores responsáveis por aprovar a medida, segundo uma fonte do governo.

Mato Grosso

Outros importantes mercados agrícolas como o Mato Grosso, mas com comercialização da safra passada praticamente concluída, estão sofrendo menos com a resolução, pelo menos na negociação do produto disponível.

"Não ouvi nada sobre o assunto... a segunda coisa é que o mercado já estava parado, com a baixa do preço, e no Mato Grosso está bem adiantada (a comercialização)", disse o superintendente do Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea), Daniel Latorraca.

"Não chegou a afetar a questão do Funrural em Mato Grosso porque tem o problema maior que é o preço, que está travando o processo."


Fonte: Reuters
Voltar Imprimir
Deixar um comentário
Nome
Comentário
 

Notícias recentes

MS é o segundo Estado a emitir Certificado de Inspeção Sanitária por meio eletrônico 14 de julho de 2020 A Iagro vem trabalhando na modernização dos seus sistemas e na facilitação do atendimento e na última sexta-feira implantou oficialmente a o Cert...
Arroba segue firme, sustentada pela escassez de boiada 14 de julho de 2020 Os frigoríficos brasileiros bem que tentaram, na semana passada, frear o movimento de alta nos preços do boi gordo, mas essa estratégia parece que ...
Terça-feira de tempo instável e mudanças no clima 14 de julho de 2020 Mato Grosso do Sul terá terça-feira (14.7) de tempo instável e início de mudanças no clima. A previsão do Centro de Monitoramento do Tempo e do ...
Reinaldo Azambuja cobra no Ministério da Agricultura liberação de R$ 70 milhões em emendas 14 de julho de 2020 Para ampliar investimentos na agricultura familiar de Mato Grosso do Sul, o governador Reinaldo Azambuja cobrou no Ministério da Agricultura, Pecuár...
Regulamentação do uso de drones em atividades agropecuárias é colocada em consulta pública 14 de julho de 2020 A Secretaria de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) colocou em consulta pública nesta sexta-feira (1...
Com alta de 24,5%, exportações do agro batem recorde para meses de junho e ultrapassam US$ 10 bilhõe 14 de julho de 2020 As exportações do agronegócio foram recordes para os meses de junho nesse mês de junho de 2020, com registros de vendas externas de US$ 10,17 bilh...
MPT investiga casos de Covid-19 e fragilidade na prevenção em 10 frigoríficos no MT 10 de julho de 2020 Um levantamento do Ministério Público do Trabalho (MPT) junto às cinco maiores empresas frigoríficas do Mato Grosso apontou que pelo menos 10 unid...